segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

A ilegibilidade das receitas médicas

Outro dia, via facebook, uma leitora do blog, Angilene Nascimento, ao relatar sobre uma forte enxaqueca que teve, reclamava a respeito de uma velha prática entre os médicos; a ilegibilidade de suas receitas. E foi a Angilene que deu a sugestão de uma publicação sobre o assunto aqui no blog. Até tinha dito a ela que nunca consegui entender o porquê ou a razão da forma ilegível da maioria das receitas médicas. Pois bem; o que talvez a Angilene não sabe, como eu também confesso não sabia, é que entrou em vigor, no ano de 2010, um novo código de ética médica. Embora muitos descumpram ele nesse artigo, o novo código de ética, entre outras regulamentações, proíbe o médico de usar letras ilegíveis em laudos e receitas. O médico que infringir qualquer ponto do novo código corre o risco de sofrer processo administrativo. Essa pena vai desde advertência em privado e advertência pública até o seu descredenciamento, sem que isso elimine eventual processo criminal pela falta cometida. Essa questão das receitas médicas indecifráveis é um bom tema para debatermos realmente. Para um entendimento maior a respeito do novo código de ética médica, acesse o site do CFM (Conselho Federal de Medicina) e saiba mais. O item que fala de forma específica dessa questão das receitas está no capítulo III do artigo 11, referente a responsabilidade profissional. Agradeço a Angilene pela sugestão do tema. A internet tem dado ao cidadão a oportunidade de se expressar de uma forma mais direta, objetiva e instantânea acerca de muitos temas e situações de seu interesse. Na minha opinião; essa é uma realidade que veio para ficar. Ainda bem.
Comentário(s)
7 Comentário(s)

7 comentários :

  1. Olá, Paulo César,
    A serviço dos ilegíveis "garranchos" há os que já optaram pela digitação e impressão de suas receitas. Profissionais atualizados.
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Paulo! Também nunca compreendi o porque das letras mal feitas...faz sentido criarem uma Lei para punir quem fizer isso, porque os erros podem levar à compra de medicamentos errados. Um abraço!

    ResponderExcluir
  3. Em Portugal não temos esse problema já que as receitas têm que obrigatóriamente serem imprimidas.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  4. Olá,amigo Paulo César!
    Seu artigo é de uma importância ímpar por ser uma utilidade pública.
    Creio que prescrever medicação com garatujas e hieróglifos é brincar com a vida, mas com a vida não se brinca. Já ouvi casos de o remédio receitado ser confundido com raticida e outro que, interpretado erroneamente, quase matou uma criança por ter baixado muito sua glicose.
    Muitas vezes, já não prescrevem o medicamento certo para o paciente e ainda ininteligível, é escrever errado por linhas tortas. Isso é um crime, uma irresponsabilidade que, talvez, somente ocorra em nossa plaga devido à legislação inócua e o corporativismo.

    Fizeste muito bem produzir e publicar esse relevante texto.

    ResponderExcluir
  5. Oi PC
    Nossa, esse tema é bem lembrado, eu fui comprar o remédio que é controlado por sinal, e o rapaz da farmácia não conseguia entender se eram quatro caixas ou uma caixa, ele deduziu que eram 4, porque na caixa só vinham 10 comprimidos, então não seria possível o médico ter prescrito uma caixa, principalmente porque eu não compraria o remédio sem receita, esse é um caso apenas, existem outros casos piores.
    Bjos. amigo. Fique com Deus!

    ResponderExcluir
  6. Eu sinceramente,não entendo a lógica disso?Pra quê essa prática?Estão exagerando.Eu mesma,um dia desses,fui a um clínico geral,sua escrita parecia aquelas grades de eletrocardiograma,eu pensando,vai que um balconista de farmácia entenda errado?Eu gravei o nome do remédio,e outros que não se preocupam com isso?Lamentável!Já passou do tempo de reverem essa prática,que ao meu ver,é abusiva.

    ResponderExcluir
  7. Letra de médico é um problema mesmo, alguns dos que eu frequento, já usam receitas impressas, menos mal né? Não sabia que existia esse projeto para criar uma lei que puna isso, mas é bom mesmo. Obrigada por compartilhar a informação, parabéns pelo post. abraços

    ResponderExcluir

Gostou do blog? Volte sempre que desejar. Dúvidas, sugestões, críticas ou qualquer outro assunto, entre em contato: detudoumpoucominhaopinião@yahoo.com.br

Números telefônicos de utilidade pública no Brasil

  • Delegacias Regionais do Trabalho - 158
  • Informações sobre oferta de emprego (Sine) – 157
  • Serviço Municipal – 156
  • Serviço Estadual – 155
  • Detran – 154
  • Guarda Municipal – 153
  • Ibama – 152
  • Procon – 151
  • Vigilância Sanitária – 150
  • Justiça Eleitoral – 148
  • Governo Federal – 138
  • Transporte Público – 118
  • Energia Elétrica – 116
  • Água e Esgoto – 115
  • Serviços ofertados pelas prestadoras dos Serviços de Comunicação Eletrônica de Massa – 106
  • Serviços oferecidos por prestadoras de serviços móveis de interesse coletivo – 105
  • Serviços ofertados por prestadoras de serviço telefônico fixo – 103
  • Defesa Civil – 199
  • Polícia Rodoviária Estadual – 198
  • Polícia Civil – 197
  • Polícia Federal – 194
  • Corpo de Bombeiros – 193
  • Ambulância – 192
  • Polícia Rodoviária Federal – 191
  • Polícia Militar – 190
  • Disque- Denúncia – 181
  • Delegacias especializadas no atendimento à Mulher – 180
  • Serviços de Emergência no âmbito do Mercosul – 128
  • Secretaria dos Direitos Humanos - 100