sexta-feira, 13 de abril de 2012

Globo News revela mais um descaso na saúde pública

Não há como negar o descaso que sofre cada cidadão desse país que precisa recorrer a saúde pública. De ponta a ponta do país, a história é sempre a mesma. Não importa qual seja a região, rica ou pobre, a mazela é igual e execrável do mesmo jeito. Querem um exemplo real disso? Pois bem; Rio de Janeiro, segunda maior cidade desse país e uma das maiores e mais conhecidas cidades do mundo.
Nela está localizado o maior hospital de emergência da América Latina, o Souza Aguiar, que é municipal. Ali, verificou-se, por intermédio dos repórteres da Globo News, Rafael Coimbra e Antônia Martinho que, médicos do Centro de Tratamento Intensivo (CTI) chegavam a comentar entre si através de e-mails os erros ocorridos durante cirurgias, além de fazerem reservas de leitos e até a recusa por pacientes em estado grave provenientes das Unidades de Pronto-Atendimento (UPAs). Essa troca de e-mails entre médicos daquele hospital de emergência foi divulgado em uma reportagem exibida na noite de quarta-feira (11/04) no “Jornal das Dez”, da Globo News. Rafael Coimbra e Antônia Martinho, repórteres do canal de notícias das Organizações Globo tiveram acesso a esses e-mails quando faziam uma reportagem do caso do cineasta húngaro Andreas Palluch, radicado no Brasil, que faleceu no hospital 47 dias depois de ter levado uma gravata durante um assalto, na sexta-feira de carnaval, em 17 de fevereiro. Segundo a filha do cineasta, Andrea Palluch, seu pai teria sido levado para o hospital por um policial, mas não foi feito um boletim de ocorrência. Ele teria chegado lúcido e andando normalmente. Andrea mora na Inglaterra, mas veio para o Brasil acompanhar o estado de saúde do pai. Ela denunciou que, depois da internação, houve uma sequência de erros, o que teria provocado a morte do pai. O protesto dos familiares para que o hospital tomasse providências em relação ao caso está registrado nesses e-mails, de acordo com a mesma reportagem. É triste chegar a essa conclusão, mas esse é só mais um capítulo da combalida, mal gerida e vergonhosa saúde publica brasileira. Essa é a minha opinião.
Comentário(s)
6 Comentário(s)

6 comentários :

  1. uma sociedade que não faça assentar os seus pilares maiores na educação e na saúde nunca será mais do que uma promessa social.
    relatas acontecimentos no brasil; em portugal os casos de incúria, desmazelo, ignorância e absurod clínico são quase diários...

    abraço, caro amigo!

    ResponderExcluir
  2. Amigo,PC.
    Estes descasos não só acontece nas redes públicas não viu? nos convênios que pagamos acontece muito.Esta cheio de erros médicos,e que fica por isto mesmo.Ninguem consegue levar um médico ou político para cadeia. Virou moda na medicina ter profissionais, cometendo erros graves,matando gente.Existe convênio que médicos em cirurgia cometem seus erros, e quem sabe são os enfermeiros, não abrem a boca para nada.E como dizer algo, se os DRS DA MEDICINA, EM ÓBITO PÕE LÁ A CAUSA QUE FOR A FAMÌLIA NÂO DESCONFIA E ACREDITA.Conheci um grande médico catedrático(Dr. D'Sicca)elê também era professor na faculdade de medicina(esta paraticular).Elê dizia assim:Reprovei muitos alunos,fui chamado na diretoria,para justificar tantos reprovados, e eu simplesmente respondi ao diretor:_Não vou formar batedores de carteira.
    Amigo, desculpe pelo longo comentário,mas é que estas coisas me deixa com o sangue fervendo.
    Tenhas um lindo fim de semana com muita paz, junto aos seus.

    ResponderExcluir
  3. Paulo,

    Tenho verdadeiro horror de hospitais. Vivo dizendo para a minha mãe, que adora um médico ou hospital, que se lá entramos mal, saímos pior.
    A falta de zelo para com a saúde chega a impressionar. Os erros médicos se multiplicam. Aqui num hospital de BH foi, equivocadamente, aplicado ácido em um garotinho, engano que poderá deixar-lhe sequela permanente, com dificuldades para se alimentar.
    É muito triste. A omissão do governo é acrescida pela incompetência e falta de humanidade dos profissionais da saúde.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  4. Quando li a reportagem, fiquei pasma. A troca de mensagens entre funcionários e administração demonstram, cabalmente, o descaso e a falta de cuidados. Uma realidade assustadora.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  5. Paulo,

    Uma verdade! Tenho medo de adoecer e ser vítimas de caso dessa natureza.A falta de um entendimento nos faz vítima do sistema.

    Bom final de semana querido!

    Lu

    ResponderExcluir
  6. Paulo, já precisei de hospital público (hoje graças a Deus tenho plano de saúde) e sei que é um verdadeiro caos, e quanto descaso, tanto dinheiro que é desviado pra outras finalidades e gente morrendo pelos corredores de hospitais públicos. Viu aquela matéria no Fantástico sobre as licitações fraudulentas nos hospitais do Rio, quanta sacanagem, e que Deus proteja todos que precisam se sujeitar a esses matadouros do Governo.

    Abração pra ti.

    ResponderExcluir

Gostou do blog? Volte sempre que desejar. Dúvidas, sugestões, críticas ou qualquer outro assunto, entre em contato: detudoumpoucominhaopinião@yahoo.com.br

Números telefônicos de utilidade pública no Brasil

  • Delegacias Regionais do Trabalho - 158
  • Informações sobre oferta de emprego (Sine) – 157
  • Serviço Municipal – 156
  • Serviço Estadual – 155
  • Detran – 154
  • Guarda Municipal – 153
  • Ibama – 152
  • Procon – 151
  • Vigilância Sanitária – 150
  • Justiça Eleitoral – 148
  • Governo Federal – 138
  • Transporte Público – 118
  • Energia Elétrica – 116
  • Água e Esgoto – 115
  • Serviços ofertados pelas prestadoras dos Serviços de Comunicação Eletrônica de Massa – 106
  • Serviços oferecidos por prestadoras de serviços móveis de interesse coletivo – 105
  • Serviços ofertados por prestadoras de serviço telefônico fixo – 103
  • Defesa Civil – 199
  • Polícia Rodoviária Estadual – 198
  • Polícia Civil – 197
  • Polícia Federal – 194
  • Corpo de Bombeiros – 193
  • Ambulância – 192
  • Polícia Rodoviária Federal – 191
  • Polícia Militar – 190
  • Disque- Denúncia – 181
  • Delegacias especializadas no atendimento à Mulher – 180
  • Serviços de Emergência no âmbito do Mercosul – 128
  • Secretaria dos Direitos Humanos - 100