terça-feira, 29 de maio de 2012

Do formato impresso ao digital, o futuro dos jornais

Na visão de muitos a mídia impressa, principalmente em se tratando de revistas e jornais, está com seus dias contados. Em especial, no caso dos jornais, o dinamismo com que as informações chegam aos leitores, em tempo real, possivelmente fará da mídia digitalizada, ou seja, por meio da Internet, o único modo de existência e sobrevivência deles. Eu não diria que a Internet decretará o fim dos jornais, mas o início de um novo formato para eles. Isso já vem ocorrendo gradativamente. Não por acaso, a maioria dos jornais impressos também tem suas versões digitais (online). Por tanto, a maioria das notícias que vocês lerão no dia seguinte na edição impressa de um jornal, já estarão sendo lidas hoje na edição digital desse mesmo jornal. Desse jeito, eu diria ser quase impossível, para não dizer totalmente impossível, competir com a realidade que o avanço tecnológico também provocou nas mídias noticiosas e, em especial, os jornais. A mesma realidade dos jornais também se aplica no caso das revistas.
Reprodução
É oportuno dizer que, o primeiro jornal a surgir com edição na Internet brasileira foi o Jornal do Brasil, o famoso JB, no dia 28 de maio de 1995. A propósito disto, o jornal completou ontem (28/05) 17 anos de operação na Internet. Fundado em 1891 no Rio de Janeiro, o JB, que já foi o maior jornal do país, opera atualmente somente na Internet, o que acontece desde 1º de setembro de 2010, quando encerrou sua edição impressa.
Comentário(s)
9 Comentário(s)

9 comentários :

  1. Outro dia num blog eu lí que no futuro não existirão mais livros e nem jornais de papel... Só digitais. Puxa... Isso é triste!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Paulo César... pensando "ecologicamente"... as árvores agradecem... Modismos sempre retornam às origens... veja o "vinil"... Então é esperar pra ver. Eu já sou adepta às edições online, custo mais acessível e a notícia "quentinha". Você mesmo, em seu ótimo blog, já nos propicia isso, gratuitamente! Novos tempos. Urge acompanhar.
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  3. Se os tempos são novos, eu preferia viver décadas atrás...verdade; gosto de ler livros*, não tenho paciência para ficar na frente do computador nem para assistir um filme ou "ouvir uma música"; prefiro o "meu som, os meus CDs; prefiro ir ao cinema, "ler notícias pelos jornais, adoro parar em frente a um jornaleiro "banca de jornais" e ficar lendo as manchetes; será que é um hábito(?) E as crianças, como ficam nessa história, como vamos alfabetizá-los? Ah, é complicado, a Internet até ajuda, mas...
    Ainda vivo como os meus pais?...Enfim, se no futuro for (tudo "digital, eu vou odiar.
    rsrs
    Falei bobagem(?)... Sei q vão achar ridículo, sou ainda jovem +-)
    e tenho a cabeça de velha; como diz uma canção do Roberto Carlos: "eu sou um moço¨(a) velho, que já viveu muito"
    bjinhos

    ResponderExcluir
  4. Poxa, eu tenho pensado muito nisso... até pela minha condição de jornalista!

    Este assunto é super pertinente, e, assim como tu, eu creio que os jornais, revistas e livros não vão desaparecer, mas adequar-se às novas tecnologias, até pela questão ecológica do papel e do plástico.

    Noutro dia eu vi na tv uma entrevista com o presidente do sindicato dos gráficos aqui do RS, que falou que a salvação da lavoura para as gráficas neste ano são as eleições.

    A que ponto está chegando! Mas é a realidade dos tempos e temos de vivê-la intensamente, nos adequando da forma necessária e melhor para todos.

    Por outro lado, penso que ainda vai levar um tempo para que as mídias digitais tomem conta... ainda tem muito trabalho para as rotativas nos próximos anos... rssss

    ResponderExcluir
  5. Oi, Pc. A tendência do ser humano é evoluir, e quem se recusa a fazê-lo fica para trás...No curso superior que faço uma vez estudamos isso, nossas gerações ainda tem a cultura do papel, de querer ler nas folhas o que, por uma questão tecnológico e ecológica, está nas telas. E quem não se adaptar, ficará sem saber as notícias! Um abraço!

    ResponderExcluir
  6. Boa atarde, Paulo Cesar.
    Não sei dizer se os jornais chegarão a ser extintos totalmente algum dia, mas que eles devem se atualizar, isso é certo.
    Acho que,não importando a mídia, quem a consome deve sempre ter uma atitude crítica e questionadora sobre o que foi escrito.
    Se isso nunca mudar,por mim tudo bem.
    Abraço, Paulo Cesar.

    ResponderExcluir
  7. Oi Paulo,

    Boa noite! Penso que mesmo os digitais terão que se adaptar, pois o facebook colocará tudo em um só lugar.

    Boa quarta!
    Lu

    ResponderExcluir
  8. Paulo, querido amigo!
    Perfeito!
    Concordo totalmente, creio que os jornais e impressos se adequarão aos novos meios, e isso já percebemos no nosso trabalho.
    Excelente post e texto, um dos melhores teus!
    Beijos :)

    ResponderExcluir
  9. No dia em que todas as mídias impressas se extinguirem ficará um vazio no meu peito.Este é mesmo o caminho certeiro que as mídias estão rumando porém eu gostaria que se mantivessem intactas para que eu possa ter o prazer de folhear páginas sossegadamente em algum cantinho só meu.Eu compro jornais mesmo tewndo lido as notícias antes,não suporto ler jornais,revistas e livros no PC,apenas em papel.Para ler no PC somente os blogs...Excelente texto Paulo!

    ResponderExcluir

Gostou do blog? Volte sempre que desejar. Dúvidas, sugestões, críticas ou qualquer outro assunto, entre em contato: detudoumpoucominhaopinião@yahoo.com.br

Números telefônicos de utilidade pública no Brasil

  • Delegacias Regionais do Trabalho - 158
  • Informações sobre oferta de emprego (Sine) – 157
  • Serviço Municipal – 156
  • Serviço Estadual – 155
  • Detran – 154
  • Guarda Municipal – 153
  • Ibama – 152
  • Procon – 151
  • Vigilância Sanitária – 150
  • Justiça Eleitoral – 148
  • Governo Federal – 138
  • Transporte Público – 118
  • Energia Elétrica – 116
  • Água e Esgoto – 115
  • Serviços ofertados pelas prestadoras dos Serviços de Comunicação Eletrônica de Massa – 106
  • Serviços oferecidos por prestadoras de serviços móveis de interesse coletivo – 105
  • Serviços ofertados por prestadoras de serviço telefônico fixo – 103
  • Defesa Civil – 199
  • Polícia Rodoviária Estadual – 198
  • Polícia Civil – 197
  • Polícia Federal – 194
  • Corpo de Bombeiros – 193
  • Ambulância – 192
  • Polícia Rodoviária Federal – 191
  • Polícia Militar – 190
  • Disque- Denúncia – 181
  • Delegacias especializadas no atendimento à Mulher – 180
  • Serviços de Emergência no âmbito do Mercosul – 128
  • Secretaria dos Direitos Humanos - 100