segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Marco Archer, a crônica de uma morte Anunciada

A execução do brasileiro Marco Archer, de 53 anos, na Indonésia, condenado à morte pelo fato de ter entrado naquele país em 2004 com 13 quilos de cocaína escondidos nos tubos de uma asa delta, movimentou o noticiário. A própria presidente Dilma fez pedido especial ao governo da Indonésia para que não executasse o brasileiro, o que foi em vão. As redes sociais repercutiram o fato e as pessoas manifestaram seus pensamentos. Teve gente que criticou a presidente por seu posicionamento, mas também teve gente elogiando ela por isso, gente que defendeu que o brasileiro tinha que cumprir a pena e gente que foi contra a sua execução. A Indonésia é um país que tem uma legislação rigorosa contra o tráfico de drogas. Por essa razão, a situação do brasileiro era muito difícil de ser revertida. Marco Archer foi fuzilado no último domingo (18). Sou inteiramente contrário à pena de morte, mas essa é a lei naquele país. Archer certamente sabia disso, mesmo assim, resolveu assumir esse risco. Uma pessoa que se mostra verdadeiramente arrependida de um erro cometido, essa merece uma segunda chance na vida. Sim, deve ser punida pelo que fez, mas também deve se observar isso. Contudo, a pergunta que faço é a seguinte: quantas vezes Archer teve a chance de mudar e não quis? Só seus familiares e amigos é que poderão responder essa pergunta. Depois de ter notícias de sua vida pregressa e constatar que essa não foi a primeira vez que ele se envolveu com o mundo das drogas, devo dizer que fica difícil acreditar que ele um dia de fato tenha pensado em mudar. Que fique claro, não defendo pena de morte. Por tanto, não aceito a pena que foi dada ao brasileiro, mas também entendo que por mais dura que seja, essa é a lei que se aplica naquele país para quem se envolve em tráfico de drogas. De tudo isso, uma lição fica: se envolver nesse tipo de coisa só vai levar uma pessoa a um único caminho, a morte. Essa é a minha opinião.
Comentário(s)
12 Comentário(s)

12 comentários :

  1. Assume-se a responsabilidade dos riscos em muitas ações. Evidente que foi difícil entender tal situação, principalmente aos seus familiares. Mas, ele traçou uma estrada muito perigosa.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na vida, as escolhas que fazemos, muitas vezes determinarão nosso futuro. Um beijo no seu coração, querida Célia.

      Excluir
  2. Pois é meu amigo triste sina desse moço
    Será que foi castigo?
    Será que foi desobediência a um Pais estranho?
    Será que ele mesmo quis esse caminho?
    E os pais o que pensa disso tudo?
    Enfim são tantas perguntas e nós o que achamos?
    Eu particularmente acho que ele teve seu livre arbítrio
    e seguiu o que achou melhor....a vida era dele né
    Mas que é triste ah isso é não resta duvidas

    Abraços com carinho!

    └──●► *Rita!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo é triste minha querida Rita, em se tratando de vidas perdidas que foram levadas pela estupidez de uma chamada vida fácil.

      Excluir
  3. Oi, Paulo!
    A pena de morte é o extremo, mas foii o único modo que aquele país encontrou para acabar com o tráfico. Quantas famílias um traficante mata? Os valores morais de um traficante não é o mesmo de um cidadão comum. A presidenta sabia que não seria atendida, mas tinha que mostrar para o povo que moveu uma ação. Se ela fosse atendida, abriria precedentes para outros julgamentos... E os casos que foram consumados, como ficariam?
    É pedir demais que um país mude suas leis para privilegiar alguém.
    Beijus,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sua analise é bem precisa Luma. É baseada em elementos que não são irrelevantes. Pelo contrário. Um beijo no seu coração.

      Excluir
  4. Olá, PC! A morte é uma atitude extrema e lamentável, porém não podemos julgar as bases que regem a lei de um país, e certamente ele estava ciente do risco quando foi. É uma pena que as coisas acabem assim, porém mais que isso, um alerta para quem está nesse caminho, afastar-se em tempo. Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso mesmo, querida Bia. Um beijo no seu coração.

      Excluir
  5. OI PAULO CESAR!
    CONCORDO PLENAMENTE COM TUDO QUE DIZES.
    TAMBÉM SOU CONTRA A PENA DE MORTE E VOU SER SEMPRE, MAS, NÃO CONTRA A PUNIÇÃO QUE MERECE QUEM TRAFICA DROGAS POIS PROPICIA A MORTE TAMBÉM DE TANTOS, PRINCIPALMENTE, JOVENS QUE ENTRAM NESTE CAMINHO SEM VOLTA.
    ENTÃO, ELE ARRISCOU E PERDEU. SINTO PELOS FAMILIARES QUE DEVEM ESTAR SOFRENDO COM A MORTE DELE.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Zilani, as escolhas que fazemos vão impactar em nossas vidas em algum momento, inclusive para sempre em muitos casos. Um beijo no seu coração.

      Excluir
  6. Sou a favor da vida!!!
    Tantas formas que se tinha de punição...Indonésia é um país amoral,só pesquisar um pouquinho que veremos o quanto hipócrita foi essa sentença nojenta.

    Beijão,PC!
    Dani.

    ResponderExcluir

Gostou do blog? Volte sempre que desejar. Dúvidas, sugestões, críticas ou qualquer outro assunto, entre em contato: detudoumpoucominhaopinião@yahoo.com.br

Números telefônicos de utilidade pública no Brasil

  • Delegacias Regionais do Trabalho - 158
  • Informações sobre oferta de emprego (Sine) – 157
  • Serviço Municipal – 156
  • Serviço Estadual – 155
  • Detran – 154
  • Guarda Municipal – 153
  • Ibama – 152
  • Procon – 151
  • Vigilância Sanitária – 150
  • Justiça Eleitoral – 148
  • Governo Federal – 138
  • Transporte Público – 118
  • Energia Elétrica – 116
  • Água e Esgoto – 115
  • Serviços ofertados pelas prestadoras dos Serviços de Comunicação Eletrônica de Massa – 106
  • Serviços oferecidos por prestadoras de serviços móveis de interesse coletivo – 105
  • Serviços ofertados por prestadoras de serviço telefônico fixo – 103
  • Defesa Civil – 199
  • Polícia Rodoviária Estadual – 198
  • Polícia Civil – 197
  • Polícia Federal – 194
  • Corpo de Bombeiros – 193
  • Ambulância – 192
  • Polícia Rodoviária Federal – 191
  • Polícia Militar – 190
  • Disque- Denúncia – 181
  • Delegacias especializadas no atendimento à Mulher – 180
  • Serviços de Emergência no âmbito do Mercosul – 128
  • Secretaria dos Direitos Humanos - 100