sábado, 10 de dezembro de 2011

Pará vai às urnas decidir divisão do Estado em três

Domingo, 11/12, população do Pará vai às urnas para responder em plebiscito se é a favor ou contra a divisão do Estado. A decisão favorável poderá criar os Estados de Tapajós, Carajás e Pará. Caso decidam pela divisão, entra em cena o Congresso Nacional, que abrirá discussão sobre o assunto. Em aprovada no Congresso, a lei pode ser sancionada ou vetada pela presidente Dilma Rousseff. Se a decisão dos eleitores for contrária a divisão do Estado, tudo permanece da maneira como está. Pesquisa realizada pelo instituto Datafolha mostra que maioria dos paraenses é contra a divisão do Estado. A discussão desse tema na sua origem é louvável, no entanto, existe outros meios, até mais eficientes que o simples fato de uma divisão territorial. Precisamos avançar no campo das ideias e de forma mais amadurecida entender que a divisão territorial, por sinal, cara demais, nem sempre é eficiente na solução para o desenvolvimento de determinada região. O aumento da máquina pública por exemplo, gerará mais despesas para todos, inclusive para a União. Por tanto, quem não é do Pará, não pense que isso não afetará o país como um todo, pois estará enormemente enganado. Novas instituições administrativas estaduais serão criadas e uma sobreposição sobre as estruturas já existentes pode ser um complicador a mais nesse processo. É preciso entender que a divisão territorial por si só não gera desenvolvimento. Não é exagero imaginar que a divisão territorial do Pará poderá fazer eclodir novas divisões territoriais no Brasil, elevando sobremaneira os custos, o aumento da burocracia e valores difíceis de serem medidos. Contudo, entendo que seja necessário esse tipo de debate para avançarmos nas soluções do desenvolvimento e governança das nossas regiões. Essa é a minha opinião.
Comentário(s)
9 Comentário(s)

9 comentários :

  1. Olá, grande amigo Paulo César!
    Tomara que a opção pela não divisão vença, pois realmente, como você bem enfatiza, vai gerar mais custo não somente para o Pará, mas também para a União. Além dos governadores, prefeitos, deputados estaduais e federais, quantos vereadores e funcionários públicos (e fantasmas) irão custar?
    Outro dia, eu conversando com um amigo paraense sobre o assunto, ele me disse que essa divisão é injusta pela fato de que haverá uma parte rica, que todos almejam e outra pobre, que todos rejeitam.
    Acredito que essa divisão é inoportuna numa época em que se está preocupado com a preservação das florestas. Estado divido, o novo estará sedento por desenvolvimento e isso é sinônimo de devastação porque não temos a cultura de progredir economicamente preservando a ecologia.

    Esta é uma notícia de grande importância para todos nós, valeu, amigo!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Não sei se essa divisão vai ser benéfica para toda a população, para os políticos sim, vai haver mais cargos, mas não tenho uma opinião formada, até pq não moro lá e não sei da realidade ali presente, mas espero que a população não saia prejudicada.

    Abração PC.

    ResponderExcluir
  3. Olá Paulo,
    Ontem mesmo eu e meu marido estávamos conversando e divagando a respeito. Entendemos que esta divisão somente gerará aumento de despesas e maior oportunidade de "desvio" do dinheiro público.
    Espero que a população que vai às urnas esteja ciente de todas as implicações de tal pretensão.
    Tenha um ótimo sábado.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  4. Penso que na divisão do Pará haverá multiplicação de problemas e custos mais elevados ainda para a máquina burocrática, que dizem... fazer o país andar! Mais cabides de empregos, mais verbas orçamentárias para sustentar "senhores engravatados" e suas mordomias... Se tamanho fosse documento... cidades com densidade demográfica diminuta estariam no topo do desenvolvimento. E, não é bem isso que vemos. Tenho para mim que há interesses até escusos nessa divisão... o "toma lá dá cá" da política em nada correta que assola nosso país. O estudo e o investimento para o progresso e a sustentabilidade desse e de tantos outros estados, principalmente da região norte, nordeste e noroeste não está na divisão geográfica, mas na somatória de todos visando o bem comum. Utópico, eu sei, meu pensamento, mas não inviável. Basta união de todos e não o célebre "cada um pra si..."
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  5. Olá estimado Paulo César,

    Li seu texto com atenção, e embora desconhecendo a realidade brasileira, penso, que quanto mais divisões se fizerem, seja onde for, mais desentendimentos sociais, políticos, económicos e afectivos irão surgir.

    Em Portugal, há uns tempos, também o governo da altura, pensou em regionalização. Felizmente, que houve um referendo e as pessoas manifestaram suas opiniões.
    A maioria disse que não pretendia regionalizar coisa nenhuma.

    Agradeço suas simpáticas palavras em meu blog.

    Bom fim de semana.

    Beijos carinhosos de luz.

    ResponderExcluir
  6. Olá estimado Paulo César,

    Li seu texto com atenção, e embora desconhecendo a realidade brasileira, penso, que quanto mais divisões se fizerem, seja onde for, mais desentendimentos sociais, políticos, económicos e afectivos irão surgir.

    Em Portugal, há uns tempos, também o governo da altura, pensou em regionalização. Felizmente, que houve um referendo e as pessoas manifestaram suas opiniões.
    A maioria disse que não pretendia regionalizar coisa nenhuma.

    Agradeço suas simpáticas palavras em meu blog.

    Bom fim de semana.

    Beijos carinhosos de luz.

    ResponderExcluir
  7. O que sabemos, realmente, sobre o assunto? Dizendo por mim, apenas o que foi noticiado. Mas sabemos que, atrás dessas intenções, sempre há outras. Eu não teria condições para fazer uma avaliação consciente sobre essa divisão. Por um lado, vejo um estado enorme, que poderia ser melhor administrado , se dividido. Por outro, vejo as dificuldades que um lado enfrentaria, enquanto outro se veria beneficiado.
    Dessa forma, alimento muitos receios, principalmente porque a votação é limitada a seus habitantes, muitos dos quais nem sabem o que estão a definir.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  8. Adorei essa sua noticia e esses seus esclarecimentos sobre a questão, Paulo. Me enriqueceu muito.

    Um grande beijo e muto obrigada pelo seu carinho sempre.

    ResponderExcluir
  9. PC meu amigo, eu não sou do Pará mas sou contra! CONTRA! Chega de roubalheiras nesse país. Pelamordedeus gente, ninguém faz nada, a mídia parece que colabora com tudo o que é errado nessa terra. A corrupção está aí nadando de braçada ainda mais com essa porcaria de copa do mundo que vão fazer aqui só pra poderem roubar mais um pouco! Ah... Aí não dá!
    Agora dividir o estado do Pará em 3 para ter mais dois sumidouros de dinheiro... Me perdoe por ter ficado nervoso PC mas acho que já basta de tanta sacanagem!

    Um abração!
    André Mansim

    ResponderExcluir

Gostou do blog? Volte sempre que desejar. Dúvidas, sugestões, críticas ou qualquer outro assunto, entre em contato: detudoumpoucominhaopinião@yahoo.com.br

Números telefônicos de utilidade pública no Brasil

  • Delegacias Regionais do Trabalho - 158
  • Informações sobre oferta de emprego (Sine) – 157
  • Serviço Municipal – 156
  • Serviço Estadual – 155
  • Detran – 154
  • Guarda Municipal – 153
  • Ibama – 152
  • Procon – 151
  • Vigilância Sanitária – 150
  • Justiça Eleitoral – 148
  • Governo Federal – 138
  • Transporte Público – 118
  • Energia Elétrica – 116
  • Água e Esgoto – 115
  • Serviços ofertados pelas prestadoras dos Serviços de Comunicação Eletrônica de Massa – 106
  • Serviços oferecidos por prestadoras de serviços móveis de interesse coletivo – 105
  • Serviços ofertados por prestadoras de serviço telefônico fixo – 103
  • Defesa Civil – 199
  • Polícia Rodoviária Estadual – 198
  • Polícia Civil – 197
  • Polícia Federal – 194
  • Corpo de Bombeiros – 193
  • Ambulância – 192
  • Polícia Rodoviária Federal – 191
  • Polícia Militar – 190
  • Disque- Denúncia – 181
  • Delegacias especializadas no atendimento à Mulher – 180
  • Serviços de Emergência no âmbito do Mercosul – 128
  • Secretaria dos Direitos Humanos - 100