segunda-feira, 16 de março de 2015

O povo nas ruas, a força das redes sociais

Não sou de direita, nem de esquerda. Só existe um lado para mim, o da verdade; ou daquilo que é verdade no meu entendimento. É desse lado que estou. A respeito do que enxergo como verdade, é bom explicar, certo? Afinal, ainda que afirmemos que a verdade é objetiva, no caso que se refere ao assunto que vou abordar aqui, ela pode ser subjetiva. Um exemplo disso é dizer que a TV Globo trama um golpe contra o governo Dilma. Não encaro como verdade essa alegação do "exército" de defesa na internet do partido que governa o Brasil. Esse grupo, chamado por mim aqui de "exército" de defesa na internet do partido que governa o Brasil, anunciou aos quatro cantos que a Globo preparava uma grande cobertura dos protestos para desse modo instaurar o dito golpe. Ora, francamente, isso é subestimar a capacidade de discernimento das pessoas. Quem fez uma intensa cobertura das manifestações desse último domingo (15/03), inclusive mudando toda sua programação em razão desse fato, foi a TV Record, do jornalista Paulo Henrique Amorim, um dos propagandistas do chamado golpe que a Globo arquiteta. Ele também faz parte do tal "exército" de defesa na internet do partido governista. É óbvio que a Record se prendeu a importância do fato jornalístico e não a uma ideia de publicidade a um golpe. Golpe esse, fruto do imaginário dessa gente. A Globo, assim como sua concorrente, a Record, embora não tenha mudado sua programação para se dedicar apenas aos atos de protestos, também se mobilizou para a cobertura dos manifestos daquele dia. E não poderia ser diferente. Um fato jornalístico importante como esse merecia um grande destaque realmente. Não quero com isso dizer que a emissora da família Marinho não tire proveito da situação para ilustrar a verdade dos fatos de acordo com aquilo que lhe convém. Não excluo a Globo ou qualquer outro veículo de comunicação dessa nossa suspeita. Mas daí a dizer que ela trama um golpe contra o governo, é demais pra mim. A força das redes sociais tem sido fator importante para os movimentos de mobilização popular no mundo. Os protestos que tomaram as ruas e avenidas do Brasil em 2013 comprovam isso. Hoje, em março de 2015, uma vez mais, assim como em 2013, foi através das redes sociais que o povo se mobilizou e não porque a Rede Globo ou qualquer outro veículo de comunicação quis. Esse momento de fragilidade do governo da presidente Dilma é fruto de ações da própria presidente. É fato que na campanha eleitoral ela prometeu uma coisa e depois de eleita, com poucos dias de mandato, fez outra. Hoje as pessoas não precisam mais da influência de uma TV Globo ou de qualquer outro veículo de comunicação para formarem suas convicções e ideias. Sei perfeitamente que os não esclarecidos são alvos fáceis de qualquer tipo de manipulação. Mas a internet através de pessoas sérias, levando informação relevante ao conhecimento da população pouco esclarecida ou sem esclarecimento algum, certamente poderá contribuir em muito para abrir a mente dessa gente. A internet possibilitou a todos nós o livre acesso à informação e a exposição de ideias. Não foi a TV Globo ou qualquer outro órgão de imprensa que colocou um milhão de pessoas na Avenida Paulista. Toda articulação para isso emergiu a partir das redes sociais, essa sim, muito influente nos dias atuais. Isso prova que a internet não só democratizou a comunicação como também fez do cidadão um repórter do cotidiano que lhe cerca. Sou inteiramente contra o discurso de quem defende o impeachment da presidente Dilma. Qualquer tentativa de tirá-la do poder sem embasamento legal para isso será em vão. Ela foi eleita e conduzida ao cargo de forma legítima. Isso deve ser respeitado e ponto. Falar em militares no poder então, para mim é o mais atrasado dos discursos. Mas, atenção: mesmo discordando desses que falam em impeachment ou em uma intervenção militar, quero defender o direito que eles têm de se manifestarem assim. O que acho saudável e festejo muito é o povo na rua. A mudança que sonhamos e ambicionamos para o nosso país terá que partir de nós e não deles, os políticos. Essa é uma verdade inconteste. É a minha opinião.
Comentário(s)
2 Comentário(s)

2 comentários :

  1. Oi PC
    Muito bom o post, como sempre, imparcial e jornalístico. Acredito que o povo tem se mobilizado por insatisfação, e as redes sociais ajudam mesmo, mas acredito como coloquei no meu post que o problema é bem maior, é um problema difícil, que não é saíndo com a camisa do Brasil que iremos solucionar.
    Bjos.

    ResponderExcluir
  2. Oi, PC!
    Esse exército formado por jornalistas chapa branca está enriquecendo com o dinheiro que o governo lhes pagam para deturpar as informações à favor deles. Também existe um limite para as emissoras veicularem informações e dentro desse limite respeitar aquilo que é boato mas não é notícia.
    Tenho preferido não frequentar as redes sociais nesse período por conta das notícias falsas ou tendenciosas. Motivo para o impedimento da nossa presidenta tem, mas não é o momento bom para tal e falar sobre ele é também colocar o povo contra o governo, mas ao aplicá-lo você corre o risco de tornar o governo mártir da oposição.
    Bom domingo!
    Beijus,

    ResponderExcluir

Gostou do blog? Volte sempre que desejar. Dúvidas, sugestões, críticas ou qualquer outro assunto, entre em contato: detudoumpoucominhaopinião@yahoo.com.br

Números telefônicos de utilidade pública no Brasil

  • Delegacias Regionais do Trabalho - 158
  • Informações sobre oferta de emprego (Sine) – 157
  • Serviço Municipal – 156
  • Serviço Estadual – 155
  • Detran – 154
  • Guarda Municipal – 153
  • Ibama – 152
  • Procon – 151
  • Vigilância Sanitária – 150
  • Justiça Eleitoral – 148
  • Governo Federal – 138
  • Transporte Público – 118
  • Energia Elétrica – 116
  • Água e Esgoto – 115
  • Serviços ofertados pelas prestadoras dos Serviços de Comunicação Eletrônica de Massa – 106
  • Serviços oferecidos por prestadoras de serviços móveis de interesse coletivo – 105
  • Serviços ofertados por prestadoras de serviço telefônico fixo – 103
  • Defesa Civil – 199
  • Polícia Rodoviária Estadual – 198
  • Polícia Civil – 197
  • Polícia Federal – 194
  • Corpo de Bombeiros – 193
  • Ambulância – 192
  • Polícia Rodoviária Federal – 191
  • Polícia Militar – 190
  • Disque- Denúncia – 181
  • Delegacias especializadas no atendimento à Mulher – 180
  • Serviços de Emergência no âmbito do Mercosul – 128
  • Secretaria dos Direitos Humanos - 100