domingo, 22 de janeiro de 2012

O nordestino é, antes de tudo, um forte

No livro "Os Sertões", de Euclides da Cunha, ele disse: "O sertanejo é, antes de tudo, um forte". Por esta razão, sempre que se resolve exaltar o Nordeste e sua gente, usamos a famosa frase de Euclides da Cunha da seguinte maneira: "O nordestino é, antes de tudo, um forte". Não importa se a palavra que destaca a frase é "sertanejo" ou "nordestino", ambas no seu contexto exaltam a força e a bravura desse povo, seja ele do sertão ou não. Mesmo não sendo nordestino, sou um profundo admirador desse glorioso povo. Morei por razões profissionais por quatro anos no nordeste. Nesse período em que vivi na Bahia, aprendi que o nordestino tem um encanto especial. Ele consegue transformar a dor em esperança, a tristeza em fé e a fome em força. É da força desse povo que enxergamos a pujança das grandes cidades. É do calo de suas mãos que o progresso ganha contorno e presença. Por mais que a distância faça aumentar a saudade de seus familiares em suas terras natais, o nordestino nunca deixa de sorrir e acreditar num futuro melhor. Que os amigos de outras regiões do Brasil ao lerem essa publicação não se sintam menosprezados, por favor. O Brasil no seu todo tem a mesma importância. Apenas faço essa justa homenagem ao bravo, sofrido, porém, feliz povo nordestino, por entender que essa é uma boa forma de demonstrar todo o meu carinho por eles. Nada mais que isso.
Comentário(s)
13 Comentário(s)

13 comentários :

  1. Paulo, tudo bem meu amigo?

    Voltando, depois de uns dias com minha filha doentinha...

    o nordestino é um povo guerreiro e forte, aí está a história para provar isso. Com um tanto de lutas por território por lá, entre outras...
    É um povo sofrido, mas muito honrado e religioso, o que o faz se agarrar na esperança e (sobre)viver.
    Muito merecido este post!

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. Só conheço o povo nordestino por aquilo que tenho lido, mas sendo verdade tudo o que li, tem que ser efetivamente um povo muito forte.
    Um abraço e bom Domingo

    ResponderExcluir
  3. Oi, Paulo César! Merecido o post em questão! Realmente, a desigualdade em nosso país, de dimensões intercontinentais, é gritante! E, mais uma vez voltamos nosso olhar para urgente redistribuição de rendas... Enquanto, em uma região há descartes luxuosos no lixo, em outras, há a sobrevivência do mesmo pelos nossos irmãos brasileiros! Incoerências, desumanidades que não dá mais para ficar só em prosa e versos. Convivi com nordestinos que trabalhavam na mesma empresa, guerreiros... não havia obstáculos, faziam de tudo da faxina à construção e manutenção em geral. Famosos "chão de fábrica" - pau pra qualquer obra. Mas, com um grande diferencial: o amor pela família. Tanto que, assim que com alguma economia retornavam para suas famílias com um amor raiz incrível! Realmente, um forte!
    Parabéns por sua atitude em reverenciá-los!
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  4. "Nesse período em que vivi na Bahia, aprendi que o nordestino tem um diferencial em relação ao restante desse país. Ele consegue transformar a dor em esperança, a tristeza na fé e a fome em força para seguir vivendo"
    é na simplicidade das equações que nos tornamos maiores. é essa a força que nos distingue mas que nem sempre agarramos a mãos ambas.
    abraço, paulo!

    ResponderExcluir
  5. Olá querido PC,

    Desconhecendo, totalmente, as características do "povo" nordestino, tenho seguidores desse ponto colateral:Nordeste.
    Relevam personalidade muito forte, determinados e muito ligados às suas origens.
    Os comparo aos Transmontanos, Portugueses de Trás-os-Montes, Província Portuguesa, que, também fica no Nordeste de meu país.
    E a propósito da frase de Euclides da Cunha, também há uma frase, aqui, que se aplica aos Transmontanos, e que é: "Mais vale quebrar, que torcer".

    Agradeço seu terno comentário em meu blog, e aproveito para convidar você a visitar o blog, que nasceu no sábado, e que referencio, a seguir.

    singularidadesdahistoria.blogspot.com

    Beijos carinhosos de luz.

    ResponderExcluir
  6. Olá, PC. Você tem propriedade em dar seu testemunho em relação à esse povo porque conviveu com eles, e é ótimo que o faça, para mostar ao mundo que, apesar da dor, eles sobrevivem e lutam em busca de felicidade. Um abraço!

    ResponderExcluir
  7. São mesmo sinônimo de força, esse povo! Morei no nordeste, num período de minha infância e incrívelmente minha família por parte de pai, apesar de serem da região Centro Oeste, foi quase toda para lá. A maioria mora em Natal e Fortaleza. Belíssima postagem, Paulo César!

    bjks JoicySorciere => Blog Umas e outras...

    ResponderExcluir
  8. Olá, grande amigo Paulo César!
    Charles Darwin já dizia que só os fortes sobrevivem. O nordestino é um herói de si mesmo: tem que forte e vencedor de uma luta pela própria sobrevivência. Para os habitantes das cidades, a dificuldade não é tão acentuada, pois, ali, o Estado se faz presente, mas, para o interiorano, que vive à margem das leis,do sistema de saúde, de educação, da modernidade, enfim, dos gestores públicos, sobreviver é um feito heroico. Sei disso por experiência própria: quando criança, nunca tomei nenhuma vacina; vim muitos morrerem por questão agrária, sem ninguém ser punido; assisti pela primeira vez tv aos doze anos, numa à bateria de meu tio; somente comecei a estudar aos quinze anos quando fui morar na cidade e etc.. Lá, é cada um por si e Deus por todos.

    Fico grato por seu senso democrático e altruísta.

    Seu artigo está um primor.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  9. Obrigada pela homenagem a nós (nordestinos)!
    Senti-me orgulhosa...
    :)

    ResponderExcluir
  10. Já que existe no sul esse conceito
    Que o nordeste é ruim, seco e ingrato
    Já que existe a separação de fato
    É preciso torná-la de direito
    Quando um dia qualquer isso for feito
    Todos dois vão lucrar imensamente
    Começando uma vida diferente
    De que a gente até hoje tem vivido
    Imagine o Brasil ser dividido
    E o nordeste ficar independente

    Dividido a partir de Salvador
    O nordeste seria outro país
    Vigoroso, leal, rico e feliz
    Sem dever a ninguém no exterior
    Jangadeiro seria o senador
    O cassaco de roça era o suplente
    Cantador de viola o presidente
    E o vaqueiro era o líder do partido
    Imagine o Brasil ser dividido
    E o nordeste ficar independente

    Em Recife o distrito industrial
    O idioma ia ser nordestinense
    A bandeira de renda cearense
    "Asa Branca" era o hino nacional
    O folheto era o símbolo oficial
    A moeda, o tostão de antigamente
    Conselheiro seria o inconfidente
    Lampião, o herói inesquecido
    Imagine o Brasil ser dividido
    E o nordeste ficar independente

    O Brasil ia ter de importar
    Do nordeste algodão, cana, caju
    Carnaúba, laranja, babaçu
    Abacaxi e o sal de cozinhar
    O arroz, o agave do lugar
    O petróleo, a cebola, o aguardente
    O nordeste é auto-suficiente
    O seu lucro seria garantido
    Imagine o Brasil ser dividido
    E o nordeste ficar independente

    Se isso aí se tornar realidade
    E alguém do Brasil nos visitar
    Nesse nosso país vai encontrar
    Confiança, respeito e amizade
    Tem o pão repartido na metade,
    Temo prato na mesa, a cama quente
    Brasileiro será irmão da gente
    Vai pra lá que será bem recebido
    Imagina o Brasil ser dividido
    E o nordeste ficar independente

    Eu não quero, com isso, que vocês
    Imaginem que eu tento ser grosseiro
    Pois se lembrem que o povo brasileiro
    É amigo do povo português
    Se um dia a separação se fez
    Todos os dois se respeitam no presente
    Se isso aí já deu certo antigamente
    Nesse exemplo concreto e conhecido
    Imagina o Brasil ser dividido
    E o nordeste ficar independente

    (Esse comentário abaixo da Elba Ramalho foi ao vivo,
    não faz parte da letra da música):

    Povo do meu Brasil
    Políticos brasileiros
    Não pensem que vocês nos enganam
    Porque o nosso povo não é besta

    Link: http://www.vagalume.com.br/elba-ramalho/nordeste-independente.html#ixzz2PLzKle2F

    ResponderExcluir
  11. para mim é antes de tudo uns bundas mole, morrem na sede e na fome e não se revoltam contra isso tudo esses desmandos dos governos que eles ajudam a eleger, elegem um monte de vagabundo que enriquecem enquanto seus filhos morrem de fome , isso não é orgulho isso é burrice

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não foram os nordestinos que elegeram Paulo Maluf e cia... amigo, políticos ruins é um mal da modernidade, é fruto da impunidade e stá no Brasil e no mundo,... Mas no nordeste há crença no homem , há fé na humanidade e há esperança de futuro melhor, nada se constrói sem esperança...

      Excluir
  12. anônimo,vc é um playboy fulero,se vc é tão bompq n ajudar em vez de querer ser alguma coisa! vc n passa de um merda sulista, que vive as custas do sofrimento de milhares de inocentes que so querem ser feliz e viver em paz com sua família! vai procurar uma cacete paulista pra sentar,bichonaaaaa!!!!!!

    ResponderExcluir

Gostou do blog? Volte sempre que desejar. Dúvidas, sugestões, críticas ou qualquer outro assunto, entre em contato: detudoumpoucominhaopinião@yahoo.com.br

Números telefônicos de utilidade pública no Brasil

  • Delegacias Regionais do Trabalho - 158
  • Informações sobre oferta de emprego (Sine) – 157
  • Serviço Municipal – 156
  • Serviço Estadual – 155
  • Detran – 154
  • Guarda Municipal – 153
  • Ibama – 152
  • Procon – 151
  • Vigilância Sanitária – 150
  • Justiça Eleitoral – 148
  • Governo Federal – 138
  • Transporte Público – 118
  • Energia Elétrica – 116
  • Água e Esgoto – 115
  • Serviços ofertados pelas prestadoras dos Serviços de Comunicação Eletrônica de Massa – 106
  • Serviços oferecidos por prestadoras de serviços móveis de interesse coletivo – 105
  • Serviços ofertados por prestadoras de serviço telefônico fixo – 103
  • Defesa Civil – 199
  • Polícia Rodoviária Estadual – 198
  • Polícia Civil – 197
  • Polícia Federal – 194
  • Corpo de Bombeiros – 193
  • Ambulância – 192
  • Polícia Rodoviária Federal – 191
  • Polícia Militar – 190
  • Disque- Denúncia – 181
  • Delegacias especializadas no atendimento à Mulher – 180
  • Serviços de Emergência no âmbito do Mercosul – 128
  • Secretaria dos Direitos Humanos - 100