sexta-feira, 8 de março de 2013

O julgamento de Bruno

Foto/Wikipédia
No dia 06 de julho de 2010, no Rio de Janeiro, através de uma entrevista concedida a Super Rádio Tupi, o tio de Jorge Luiz Rosa, primo do goleiro Bruno, adolescente na época, afirmou que Eliza Samudio tinha sido assassinada. Ela desapareceu em junho daquele mesmo ano. Bruno e seus cúmplices decidiram acabar com a vida de Eliza. Inclusive a criança, filho do goleiro com ela, só não morreu, supõe-se, porque os sanguinários resolveram poupar-lhe a vida. No julgamento, Bruno negou que tivesse qualquer envolvimento mais direto com o fato. Mas, porém, já no fim dele, procurando se beneficiar de uma redução de pena, resolve confessar. No final; a condenação de 22 anos e três meses de prisão pela morte de Eliza, foi uma grande conquista para o réu e seus advogados. Afinal, ele não passará mais de três anos na prisão. Parte dessa pena poderá ser cumprida em regime semiaberto. Antes de morrer, Eliza é barbaramente torturada. Depois de morta, foi esquartejada e jogada aos cães. A cada dia que passa, nossa desilusão com o país, só aumenta. E não são poucas as razões para que isso ocorra. Ela começa com a desigualdade social, passa pela desmoralização da política e dos políticos e termina na justiça ou na ausência dela. Essa é a minha opinião.
Comentário(s)
5 Comentário(s)

5 comentários :

  1. Triste!Uma morte tão cruel,tão covarde e banal.E o meliante daqui a pouco estará nas ruas.O que essa moça sofreu,melhor nem tentar pensar.
    Um besta fera que por causa de mesquinhez,acabou com a vida da mãe do seu filho,e com a sua própria vida..jogou tudo no lixo.
    Tenho mais pena da criança,que vai crescer ouvindo e sofrendo com essa triste história macabra.
    Nem vou falar da nossa 'justiça'..cansei.

    Beijão,PC!Dani.

    ResponderExcluir
  2. Mesmo depois de tudo isso, esse canalha não assume de todo, é incrível, todos sabem que foi ele o mandante, mas espero que ele cumpra boa parte da pena, sabendo que a Lei Penal Processual de nosso país é fraca, e não creio que ele ficará mais que 5 anos preso.

    Um abração pra ti PC.

    ResponderExcluir
  3. Assino por baixo amigo.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderExcluir
  4. Paulo,

    Tudo bem? Assim como vários, senti a pena não ter sido maior, mas ele confessou e atenuou. Assim, a lei foi aplicada e mesmo diante das declarações da juíza sobre a sociopatia, ele logo irá estar nas ruas.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Paulo, ao dar início à leitura da sentença, a Juíza coloca em evidência a crueldade, o caráter do réu, sua "confissão espontânea"... e menciona os anos da condenação, que não combinam com a descrição aludida. Fiquei decepcionada. Logo, logo, estará nas ruas, como se nada tivesse acontecido. Um belo exemplo para estimular a criminalidade. Quem dera o novo código já estivesse em vigor! Bjs.

    ResponderExcluir

Gostou do blog? Volte sempre que desejar. Dúvidas, sugestões, críticas ou qualquer outro assunto, entre em contato: detudoumpoucominhaopinião@yahoo.com.br

Números telefônicos de utilidade pública no Brasil

  • Delegacias Regionais do Trabalho - 158
  • Informações sobre oferta de emprego (Sine) – 157
  • Serviço Municipal – 156
  • Serviço Estadual – 155
  • Detran – 154
  • Guarda Municipal – 153
  • Ibama – 152
  • Procon – 151
  • Vigilância Sanitária – 150
  • Justiça Eleitoral – 148
  • Governo Federal – 138
  • Transporte Público – 118
  • Energia Elétrica – 116
  • Água e Esgoto – 115
  • Serviços ofertados pelas prestadoras dos Serviços de Comunicação Eletrônica de Massa – 106
  • Serviços oferecidos por prestadoras de serviços móveis de interesse coletivo – 105
  • Serviços ofertados por prestadoras de serviço telefônico fixo – 103
  • Defesa Civil – 199
  • Polícia Rodoviária Estadual – 198
  • Polícia Civil – 197
  • Polícia Federal – 194
  • Corpo de Bombeiros – 193
  • Ambulância – 192
  • Polícia Rodoviária Federal – 191
  • Polícia Militar – 190
  • Disque- Denúncia – 181
  • Delegacias especializadas no atendimento à Mulher – 180
  • Serviços de Emergência no âmbito do Mercosul – 128
  • Secretaria dos Direitos Humanos - 100