quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

A Cracolândia dividida

A ação das autoridades em por um fim a Cracolândia em São Paulo, só serviu para disseminar o problema pela cidade. O governo Federal assinala com um plano no sentido de enfrentar esse drama na nossa sociedade. Sobre isso, ainda não vou opinar, prefiro aguardar, para com mais base poder me posicionar melhor a respeito. O que já está mais que provado, é que nas raras ações que foram feitas para enfrentar o crack, nada mais se fez, que simplesmente tentar livrar-se do problema e não resolvê-lo, como decerto seria. É óbvio que acabar com a Cracolândia é uma medida necessária, evidentemente. Mas sem um plano bem arquitetado, o resultado pode ser pior que uma Cracolândia na sua realidade, como aliás já estamos vendo. O problema não foi resolvido, pelo contrário, aumentou o seu grau de dificuldade. Hoje é como se a Cracolândia tivesse sido dividida em várias e se espalhado pela cidade.
Foto:R7.com
Um bom exemplo pode ser o bairro de Campos Elíseos, no Centro. No bairro, um grande número de viciados se aglomeram no meio da rua e nas calçadas à espera do vendedor da pedra de crack. E assim ocorre em outras partes da cidade. É o que sempre falo aqui no blog e repetidas vezes, no Brasil se combate o problema, combatendo-se os efeitos e não às causas. Vale ressaltar que essa é uma questão que as cidades e os estados brasileiros sozinhos não conseguirão enfrentar. O governo Federal tem que está no pelotão de frente no enfrentamento dessa realidade, do contrário, qualquer ação que se resolva fazer isoladamente, estará fadada a um retumbante fracasso. Essa é a minha opinião.
Contato: detudoumpoucominhaopiniao@yahoo.com.br
Comentário(s)
8 Comentário(s)

8 comentários :

  1. Olá, Paulo César! Temos tanto dinheiro sobrando, não é mesmo? Então, porque o governo federal não se empenha em construir em tantas áreas ainda não exploradas, centros de revitalização de pessoas com planejamento de acolhida, tratamento físico e psíquico, trabalho digno, por exemplo na lavoura, na construção, plantar para comer, construir para morar, etc e tal... assim, penso eu, seria uma ação concreta e pertinente. O que fazem agora é jogar a sujeira pra debaixo do tapete. Migram o problema, mas não o resolvem.
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  2. Concordo com você e com a Célia(excelente o comentário dela, mas no Brasil de tanta corrupção, impraticável).
    Aqui no Rio de Janeiro, penso que a coisa é pior, há uma cracolândia em cada esquina, temos que passar por eles; sabe, é triste ,mas não dá pra passar a mão na cabeça e ficar com peninha, levá-los pra casa e tratar de cada um. Nossa! Também não vejo solução e só aumenta o número de viciados...infelizmente.
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Meu querido amigo as coisas por aí também têm estado bem cmplicadas.
    Tanta morte de pessoas possivelmente muitas delas sem quaisquer
    culpas.
    Não sei como se há-de resolver o problema da crimibalidade,
    mas que é doloroso demais é.
    Beijinhos
    Irene

    ResponderExcluir
  4. Olá, amigo Paulo César!

    Realmente não conseguirão resolver um problema dessa complexidade combatendo o efeito e não a causa. Deve-se haver uma ação conjunta dos órgãos federal, estadual e municipal, pois é de interesse público.
    "Para que o mal triunfe, basta que os homens de bem cruzem os braços", ensina-nos essa sábia frase.
    (Edmund Burke).

    Essa é mais uma matéria bem engendrada.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  5. Acho o crack um dos maiores problemas sociais que enfrentamos na atualidade. Acabar com os viciados não é o mesmo que acabar com os traficantes, e eles predominam na grande São Paulo. As vezes andando no centro, me sinto naquele seriado "The Walking Dead" de tantos crackeiros que encontro indo no caminho do trabalho. Obrigado pelas visitas de sempre caro amigo, e me perdoe se as vezes demoro um pouco para postar, porque agora tem estágio, inglês,facul,agencia junior, swordplay e outras coisas que acabam me saturando. Abração e fica com Deus !

    ResponderExcluir
  6. Enquanto não se tiver uma política pública séria e compromissada com a sociedade,tudo será em vão.Não adianta tapar o sol com a peneira;empurrar a poeira pra debaixo do tapete,nada funciona quando o poder público se torna ausente.Não adianta adotar ações medíocres,tem que se cortar o mal pela raiz,porque depois que ele se alastra,fica quase impossível,como no caso do crack.
    Beijão,PC

    ResponderExcluir
  7. Amigo tenho estranhado a sua ausência no Sexta pois segundo me parecia estava a gostar da história do Manuel. Acabo de ver que por qualquer razão não está a passar a atualização pois ali na sua banda ainda está na postagem de há duas semanas.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  8. Tudo bem amigo. Só comentei porque tenho estado com problemas no Sexta, e verifiquei que nos blogues dos amigos aparece a postagem de há 2 semanas atrás. Como se o blogue não estivesse a ser atualizado de 3 em 3 dias.
    Um abraço e obrigada pela explicação.

    ResponderExcluir

Gostou do blog? Volte sempre que desejar. Dúvidas, sugestões, críticas ou qualquer outro assunto, entre em contato: detudoumpoucominhaopinião@yahoo.com.br

Números telefônicos de utilidade pública no Brasil

  • Delegacias Regionais do Trabalho - 158
  • Informações sobre oferta de emprego (Sine) – 157
  • Serviço Municipal – 156
  • Serviço Estadual – 155
  • Detran – 154
  • Guarda Municipal – 153
  • Ibama – 152
  • Procon – 151
  • Vigilância Sanitária – 150
  • Justiça Eleitoral – 148
  • Governo Federal – 138
  • Transporte Público – 118
  • Energia Elétrica – 116
  • Água e Esgoto – 115
  • Serviços ofertados pelas prestadoras dos Serviços de Comunicação Eletrônica de Massa – 106
  • Serviços oferecidos por prestadoras de serviços móveis de interesse coletivo – 105
  • Serviços ofertados por prestadoras de serviço telefônico fixo – 103
  • Defesa Civil – 199
  • Polícia Rodoviária Estadual – 198
  • Polícia Civil – 197
  • Polícia Federal – 194
  • Corpo de Bombeiros – 193
  • Ambulância – 192
  • Polícia Rodoviária Federal – 191
  • Polícia Militar – 190
  • Disque- Denúncia – 181
  • Delegacias especializadas no atendimento à Mulher – 180
  • Serviços de Emergência no âmbito do Mercosul – 128
  • Secretaria dos Direitos Humanos - 100