segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Vender o voto

Sempre que faço críticas condenando as pessoas que vendem seus votos, procuro fazê-las de uma forma bem ponderada. Não consigo enxergar tudo isso como uma questão de caráter somente. Tem um fator social bastante forte por detrás disso também. É preciso cautela para não marginalizar todo aquele que se opõe à lei nesse tipo de situação, uma vez que muitos agem desse modo por conta da vida desgraçada que levam. Desses, vários são os que vivem como excluídos da sociedade pelo Estado brasileiro. É bem verdade que não há como defender de modo algum o que fazem, mas se pode explicar. O mesmo país que obriga o seu cidadão a votar não é capaz de respeitá-lo nos seus direitos mais comuns, como educação, por exemplo. O acesso a ela é um direito de todos, mas, como se sabe, isso não acontece. Aí, fica difícil. Sem educação não há conhecimento, sem conhecimento não há pessoas esclarecidas, e não sendo esclarecidas, facilmente serão manipuladas por aqueles que se beneficiam desse fato. Mas, atenção: é preciso separar o joio do trigo; aquele que abastecido de todo o conhecimento e esclarecimento que pôde possuir, mas que mesmo assim se deixa seduzir por essa ilegalidade, não tem relação alguma com o tipo de cidadão que descrevi no início. O que esse tipo de gente sofre na verdade é de um total desvio de caráter. Nada mais que isso. É a minha opinião.
Comentário(s)
5 Comentário(s)

5 comentários :

  1. Não há dignidade na venda de um voto. Até entendo o que passam alguns, trocando-o por benefícios sociais. Mas os abusos são incontáveis e merecem atenção. Bjs.

    ResponderExcluir
  2. EDUCAÇÃO - eis o fator preponderante de tudo! Sua opinião, centrada com muita objetividade, como sempre, deixa claro a cegueira proposital em não propiciarmos a educação de bom nível para todos. Assim, somos "marionetes" mente manipuláveis. VOTO é nossa identidade. Vendo minha identidade? Pensemos nisso.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Um problema sem aparente solução, um país onde milhões dependem de um mísero bolsa família para sobreviver, gera esse tipo de troca, e sem orientação cívica, qualquer canalha se aproveita disso para se eleger.

    Grande abraço PC.

    ResponderExcluir
  4. OI PAULO CESAR!
    FALAS, DO DESPROVIDO DE MEIOS DE SOBREVIVÊNCIA E DE EDUCAÇÃO, ESTE, É DIGNO DE PENA, MAS O SAFADO QUE COMPROU O VOTO DELE, SABIA BEM O QUE ESTAVA FAZENDO, ESTE SIM MERECE TODO O NOSSO REPÚDIO E AS ELEIÇÕES ESTÃO AI.
    MUITO BOM TEU TEXTO.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Mas sabe de uma coisa PC?O povo,quando quer,é muito esperto.tem gente que fala que vota em A,mas vota em B...E muito bem feito!Quem explora a miséria do povo brasileiro,tem que ser passado pra trás mesmo.No fim...todos se completam,um jogo de interesse mútuos,mesmo que seja de forma ingênua.

    Beijão,PC!Dani.

    ResponderExcluir

Gostou do blog? Volte sempre que desejar. Dúvidas, sugestões, críticas ou qualquer outro assunto, entre em contato: detudoumpoucominhaopinião@yahoo.com.br

Números telefônicos de utilidade pública no Brasil

  • Delegacias Regionais do Trabalho - 158
  • Informações sobre oferta de emprego (Sine) – 157
  • Serviço Municipal – 156
  • Serviço Estadual – 155
  • Detran – 154
  • Guarda Municipal – 153
  • Ibama – 152
  • Procon – 151
  • Vigilância Sanitária – 150
  • Justiça Eleitoral – 148
  • Governo Federal – 138
  • Transporte Público – 118
  • Energia Elétrica – 116
  • Água e Esgoto – 115
  • Serviços ofertados pelas prestadoras dos Serviços de Comunicação Eletrônica de Massa – 106
  • Serviços oferecidos por prestadoras de serviços móveis de interesse coletivo – 105
  • Serviços ofertados por prestadoras de serviço telefônico fixo – 103
  • Defesa Civil – 199
  • Polícia Rodoviária Estadual – 198
  • Polícia Civil – 197
  • Polícia Federal – 194
  • Corpo de Bombeiros – 193
  • Ambulância – 192
  • Polícia Rodoviária Federal – 191
  • Polícia Militar – 190
  • Disque- Denúncia – 181
  • Delegacias especializadas no atendimento à Mulher – 180
  • Serviços de Emergência no âmbito do Mercosul – 128
  • Secretaria dos Direitos Humanos - 100