domingo, 13 de novembro de 2011

Repórter entrevistou traficante Nem antes de sua prisão

Todos têm acompanhado na mídia, ainda que distantes, o combate que o governo do Rio vem fazendo aos traficantes, que ao longo de décadas dominaram comunidades carentes (favelas) e estabeleceram ali, seus quartéis-generais. O programa das UPPs (Unidade de Polícia Pacificadora) é um projeto da Secretaria Estadual de Segurança Pública, que visa criar uma espécie de policiamento comunitário em favelas da capital para desarticular quadrilhas, que antes controlavam estes territórios como estados paralelos.
Foto: Terra
A Rocinha, que é a maior favela da América latina, com uma população formada em grande parte por nordestinos, será a próxima comunidade que irá receber uma Unidade de Polícia Pacificadora. A repórter Ruth de Aquino da revista Época, entrevistou com exclusividade, o "Nem", ex-chefe do tráfico na Rocinha, no dia 4 de novembro, antes de sua prisão, que ocorreu na quinta-feira (10/11).
Nem- Foto: Ag. O DIA
Na entrevista, o traficante demonstra um comportamento aparentemente consciente em relação ao meio em que vive e, até, com uma certa consciência política, digamos assim. Nas suas palavras, me pareceu que o traficante entendia e era ciente de que o crime é um caminho que não deve ser seguido por ninguém. Os que se interessarem em ler a matéria, é só acessar a reportagem em sua integra nesse endereço: www.revistaepoca.globo.com
Comentário(s)
9 Comentário(s)

9 comentários :

  1. Paulo, meu amigo!
    Interessantíssima tua pauta, oportuna, atual, vou ler sim a matéria, mas que furo de reportagem, heim?

    Estou aqui no Uruguay, passando uns dias, não tinha conseguido wi-fi todo o dia,agora é de madrugada, finalmente tem no hotel, mas vale a pena te ler, sempre, meu amigo!
    Grande abraço, ótimo domingo!

    ResponderExcluir
  2. Muito interessante essa entrevista, mas por que o Estado não interviu antes na Rocinha para acabar com o tráfico? Será por que a Copa ainda estava longe e por isso não era interessante? Espero que de agora em diante a população tenha um pouco de paz, já que essa bandidagem maltida ditava as regras e coagiam de todas as formas os moradores, que são pessoas decentes e trabalhadoras.

    Espero que esse Nem mofe num presídio federal por décadas.

    Abração pra ti.

    ResponderExcluir
  3. Que estranho!

    Quando um bandido fala como um cidadão consciente que tenta recuperar jovens em risco, inversão total. Até a repórter saiu de la simpatizada com ele. por isso esses caras dominam tanto, sabem como fazer.

    Adoro a atualização que seus posts me provocam Paulo. Muito bons sempre.

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  4. Olá, Paulo! Posiciono-me quanto a ser "bandido" ou "cidadão consciente"... Nos valores que correm na mídia em geral, qual seria a grande diferença? Quem se diz protegido pelo comando do tráfico e não quer as UPPs, pois o tráfico o sustenta; ou o cidadão tido consciente, em cargos de destaque, que rouba aviltantemente, e discursa dignamente garantindo ser tudo invenção da mídia, que nada o desabona e, de repente, é mais um que se vai... e logo retorna... pois a "ficha limpa" é dedetizada, revigorada e em próximos pleitos incensada!! Sinceramente, busco rever meus valores... "que país é esse?" Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  5. Bom dia PC,

    Como vai?
    Agradeço seu elogioso comentário em meu blog.
    Mesmo agora ouvi e vi na televisão, o que se estava passando na Rocinha. Íncrível!
    Não sou Brasileira, portanto não conheço bem essa realidade, mas que corrupção!

    Bom Domingo.

    Beijos de luz.

    ResponderExcluir
  6. O Brasil está se perdendo e fazendo nos perder sob o pretexto de termos que seguir regras que nem todas as pessoas seguem... Deviam colocar a polícia também em Brasília e provocar uma revolução, pois é lá a fonte de todos os nossos problemas de desigualdade...
    Texto bastante politizado, amigão!!! Bacana!!!

    ResponderExcluir
  7. Eu me assustei com a revelação de que praticamente metade do que Nem faturava por mês ia para o bolso dos policiais corruptos, Paulo Cesar.
    O sucesso destes traficantes depende de uma série de fatores que vão desde a falta de emprego para os mais jovens, o que lhe fornece mão de obra barata até a inconsciência dos consumidores, que acham que não há problema algum em usar drogas.
    Por mais problemas que o Estado tenha, pelo menos desta vez a vontade do cidadão comum de bem se fez ouvir.
    Se foi por vontade política ou não, acho que não importa.
    Abraço, obrigado pela presença lá no RS e bom feriado, Paulo Cesar.

    ResponderExcluir
  8. Como disse o Jacques: O sucesso destes traficantes depende de uma série de fatores.
    Fatores esses que de certa forma, envolvem a todos. Afinal, seja qual for a classe social, muita gente curte "dinheiro fácil". Se cada um fizesse sua parte, honestamente, tudo seria diferente. Um político que desvia dinheiro público, é tão "safado" quanto o Nem.


    Não conheço o autor do texto, mas gostaria de parabenizá-lo.

    ResponderExcluir
  9. A verdade é que os verdadeiros bandidos são os politícos esses sim é que deveriam estar presos.

    ResponderExcluir

Gostou do blog? Volte sempre que desejar. Dúvidas, sugestões, críticas ou qualquer outro assunto, entre em contato: detudoumpoucominhaopinião@yahoo.com.br

Números telefônicos de utilidade pública no Brasil

  • Delegacias Regionais do Trabalho - 158
  • Informações sobre oferta de emprego (Sine) – 157
  • Serviço Municipal – 156
  • Serviço Estadual – 155
  • Detran – 154
  • Guarda Municipal – 153
  • Ibama – 152
  • Procon – 151
  • Vigilância Sanitária – 150
  • Justiça Eleitoral – 148
  • Governo Federal – 138
  • Transporte Público – 118
  • Energia Elétrica – 116
  • Água e Esgoto – 115
  • Serviços ofertados pelas prestadoras dos Serviços de Comunicação Eletrônica de Massa – 106
  • Serviços oferecidos por prestadoras de serviços móveis de interesse coletivo – 105
  • Serviços ofertados por prestadoras de serviço telefônico fixo – 103
  • Defesa Civil – 199
  • Polícia Rodoviária Estadual – 198
  • Polícia Civil – 197
  • Polícia Federal – 194
  • Corpo de Bombeiros – 193
  • Ambulância – 192
  • Polícia Rodoviária Federal – 191
  • Polícia Militar – 190
  • Disque- Denúncia – 181
  • Delegacias especializadas no atendimento à Mulher – 180
  • Serviços de Emergência no âmbito do Mercosul – 128
  • Secretaria dos Direitos Humanos - 100