sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

O amadorismo do futebol brasileiro

O maior problema do futebol brasileiro não está dentro de campo e sim fora dele. A maior paixão de um povo é administrada na sua esmagadora maioria por dirigentes amadores. Querem um exemplo? Como pode um clube do tamanho do Flamengo, com cerca de 35 milhões de torcedores, ser administrado ao longo dos últimos anos de modo tão amadorístico? O clube fechou recentemente com a Rede Globo de televisão o maior contrato de transmissão do País, mais de 100 milhões. Mesmo assim, passa por uma crise que coloca seu treinador, Vanderlei Luxemburgo e sua maior estrela, Ronaldinho gaúcho, em rota de colisão. Outro exemplo, o Palmeiras. O clube vive uma administração confusa e desorganizada, com suas finanças irregulares. Até mesmo clubes que são modelos de estruturas, como é o caso do Cruzeiro, sofre com o amadorismo de seus dirigentes. O clube mineiro por pouco não foi parar na segunda divisão, da mesma forma o Atlético Mineiro. Evidentemente poderia citar outros tantos exemplos de clubes administrados com amadorismo no nosso futebol, porém, me alongaria demasiadamente nesse texto. A própria seleção brasileira é o maior reflexo desse amadorismo que reina no futebol brasileiro. Esse modelo falido de gestão do nosso futebol, aprisiona nossos clubes e os levam dentro dessa estrutura amadora, a punir seus torcedores.
Os ultrapassados e desinteressantes campeonatos estaduais, que começam nesse final de semana, deveriam ser extintos há muito tempo. Ainda sobrevivem, graças aos dirigentes amadores, que vivem do futebol e não para o futebol. Ainda assim, sediaremos uma Copa do Mundo. Deus salve a paixão do torcedor pelo futebol, pois se dependesse dessa gente amadora, ele já teria deixado de existir faz tempo.
Comentário(s)
6 Comentário(s)

6 comentários :

  1. Hehehehehehehe... adoooro este tema!

    Falaste bem, aliás, muito bem! Dirigentes amadores num futebol a cada dia mais profissional.

    Aqui no sul temos um campeonato gaúcho que pouco interesse causa (a não ser para o time que sedia a partida, ainda mais quando este joga com a dupla GreNal, quue infelizmente, manda seus times B para os jogos!) e composto por clubes que, em sua maioria, só existem enquanto durar o certame. Amadorismo puro!

    Temos dirigentes que, na sua incompetência, não conseguem fechar um contrato de reforma do estádio para a Copa. O Beira Rio está em ruínas e, não sem razão, os gremistas o estão chamando de "coliseu". Metade em obras e no chão e metade em pé. Mas tudo parado e sabe-se lá quando recomeça a dita reforma! Prometem sempre para a semana que vem, que nunca chega!

    Do outro lado temos um time (Grêmio) com dirigente sem papas na lingua e que, na sua vaidade, praticamente expulsou o maior ídolo da torcida ao demitir o técnico Renato Gaúcho.

    Enfim, exemplos, ou melhor, maus exemplos de dirigentes temos às pilhas no Brasil. Vamos sediar a Copa... sabe-se lá como estará o futebol brasileiro... #oremos...

    ResponderExcluir
  2. Não gosto de futebol, portanto não sei se tenho respaldo para comentar, mas acredito que o grande problema é o fato de não verem mais o futebol como um esporte, com isso destrói-se a ideia de equipe, a paixão da torcida e consequentemente a mágica... Tudo isso dá lugar apenas ao mercantilismo, à máfia dos cartolas e dos contratos obscuros, com tanta gente mandando ao mesmo tempo (cartolas, redes de televisão, patrocinadores e até jogadores estrelas) se torna difícil encontrar uma administração eficiente, pois nem os objetivos, nem as metas não são claros...

    http://www.sublimeirrealidade.blogspot.com/
    http://www.facebook.com/sublimeirrealidade

    ResponderExcluir
  3. Falta de capacidade,falta de seriedade,e a certeza absoluta da falta de punição de suas atitudes.Infelizmente,o Brasil está nas mãos de pessoa oportunistas que só visam o benefício próprio e nada mais..o resto é bobagem.
    Beijão,PC!Dani.

    ResponderExcluir
  4. Olá, Paulo César! Gestores adaptados e, até mesmo por "herança" comprometem todo e qualquer setor. Não é só o futebolístico, não! Aliás, neste o que manda é o "cifrão"... Todos querem ganhar sobre todos. Não há o mínimo de ética! Puxar o tapete... atitudes à la "aves de rapina" é o que mais se vê! Percebeu que quando um atleta disponta como craque, quantos "sanguessugas" à sua volta?
    E, o povo ainda sustenta isso tudo com audiência, torcida, brigas homéricas e mortais, aquisição via publicidade de marcas injetadas por "meninos sem cultura nenhuma" que hoje se projetam na vida e necessitam de "outros" para gerirem suas finanças, suas vidas! Realmente, caótico!
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  5. Olá PCzão tudo bem?

    Rapaz, apoiado mais uma vez! O pior é que quando alguém toma coragem como o Juvenal Juvêncio do São Paulo e chuta o balde contra essas federações que só roubam dos times, ele acaba ficando sozinho porque todo mundo tem medinho do Ricardo Teixeira!

    Um abraço amigo!

    ResponderExcluir
  6. o mais incrível de tudo isto, p. césar, é que mesmo assim, com amadorismo e incompetência diretiva, o brasil continua a ser o primeiro filão de jovens futebolistas do mundo. imagine-se, pois, o que seria conjugando-o com estruturas capazes, competentes e sagazes? não quero nem pensar... seria copa atrás de copa :)
    abraço!

    ResponderExcluir

Gostou do blog? Volte sempre que desejar. Dúvidas, sugestões, críticas ou qualquer outro assunto, entre em contato: detudoumpoucominhaopinião@yahoo.com.br

Números telefônicos de utilidade pública no Brasil

  • Delegacias Regionais do Trabalho - 158
  • Informações sobre oferta de emprego (Sine) – 157
  • Serviço Municipal – 156
  • Serviço Estadual – 155
  • Detran – 154
  • Guarda Municipal – 153
  • Ibama – 152
  • Procon – 151
  • Vigilância Sanitária – 150
  • Justiça Eleitoral – 148
  • Governo Federal – 138
  • Transporte Público – 118
  • Energia Elétrica – 116
  • Água e Esgoto – 115
  • Serviços ofertados pelas prestadoras dos Serviços de Comunicação Eletrônica de Massa – 106
  • Serviços oferecidos por prestadoras de serviços móveis de interesse coletivo – 105
  • Serviços ofertados por prestadoras de serviço telefônico fixo – 103
  • Defesa Civil – 199
  • Polícia Rodoviária Estadual – 198
  • Polícia Civil – 197
  • Polícia Federal – 194
  • Corpo de Bombeiros – 193
  • Ambulância – 192
  • Polícia Rodoviária Federal – 191
  • Polícia Militar – 190
  • Disque- Denúncia – 181
  • Delegacias especializadas no atendimento à Mulher – 180
  • Serviços de Emergência no âmbito do Mercosul – 128
  • Secretaria dos Direitos Humanos - 100