sábado, 14 de janeiro de 2012

A sociedade brasileira está amadurecida o bastante para discutir sobre temas tão polêmicos?

Alguns assuntos são extremamente polêmicos de serem discutidos na nossa sociedade. Alguns deles geram discussões acaloradas. Para não citar uma extensa lista por aqui, pois ocuparia muitas linhas dessa publicação, citarei apenas dois, como exemplos de tantos outros polêmicos temas, a descriminalização da maconha e a pena de morte. Por favor atentem bem para o que quero dizer nessas linhas. Não está em discussão minha posição a respeito de um desses temas, aqui citados, mas a intenção de mostrar para as pessoas como a sociedade se sente tolhida em discutir e opinar abertamente sobre certos assuntos, deixando exclusivamente para nossos representantes políticos e autoridades constituídas a decisão de acolher ou não o que terá interferência direta no nosso dia a dia. Uma sociedade consciente e amadurecida deve chamar para si a responsabilidade de decidir questões que dizem respeito a ela mesmo. Quero novamente chamar a atenção dos que lêem esse texto, não estou colocando em debate aqui, a posição de favorável ou contra em relação aos temas aqui citados. Não estou com isso isentando-me de uma opinião, pelo contrário, convidar as pessoas a pensarem é um dos grandes propósitos desse blog. Abordar o que se discute sobre um deles na sociedade pode ser uma pauta interessante para uma outra publicação, o que não é o intuito nesse momento. Um país que respeita e zela por sua democracia deve basear-se pela vontade popular no momento de fundamentar o que é lícito ou não na observação do ente público e pôr-se sob a égide da lei, a vontade desse mesmo povo. Essa é a minha opinião.
Comentário(s)
8 Comentário(s)

8 comentários :

  1. Olá, Paulo César! No título do seu post de hoje, minha resposta: - Não. A sociedade não está amadurecida o bastante para discutir sobre temas tão polêmicos. O hábito de postergar ao outro, um direito que é nosso, empurra-se com a barriga a responsabilidade social. Chega a ser confortável. E, depende de que lado me encontro. Se vivo problema semelhante em família, assumo uma posição; caso contrário, o problema não é meu. Insipiente modo de pensar, avaliar e zelar pelo meu direito democrático. E, um detalhe: salve-se quem puder no famoso jeitinho brasileiro. Extremamente fraudulento. Fala-se bonito em "políticas públicas, estratégias sociais, direitos humanos, estruturas educacionais, organização de saúde, direitos com a chancela da Constituição... Teorização, apenas!
    Parabéns pela proposta. Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  2. A pena de morte já existe, quando não investimos em educação, matamos milhares de jovens com drogas e imprudencia. a legalização da maconha seria boa, se os magnatas das drogas não ficassem no controle.

    Não estamos prontos..e ignoramos comentar.

    ResponderExcluir
  3. Esses temas não podem merecer opinamento no calor de uma situação, de um momento. Nem servir de plataformas políticas. Particularmente, pela formação profissional e pela falta de confiança no discernimento dos homens, eis que erramos, sou contrária à pena de morte, eis que irreversível. Como estamos, hoje, vivendo enjaulados, como fumantes (sou), não posso conceber a descriminalização da maconha, até porque, encontra-se provado, que ela pode ser um caminho rápido para utilização de outras drogas.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  4. O problema de tudo é muito mais complexo. Essas discussões dão muita polêmica e deve se desenrolar em muuuitas postagens e discuções aqui.
    Mas gostei muito da sua idéia PCzão!

    Um belo final de semana aí hein!

    ResponderExcluir
  5. Um país se faz com Homens e ações.Uma país que não ouve seu povo não pode ser considerado democrático.O povo tem opinião,e esta precisa ser ouvida e respeitada.Deveria haver debates mais amplos,talvez um plebiscito para que possa ter mais discussões sobre esses temas polêmicos que afetam a população diretamente.Se pensarmos bem,o que prevalece é a vontade de poucos,principalmente de uma elite usurpadora que só age em benefício próprio,essa sim,é quem está mandando e desmandando no Brasil,e o congresso trabalha em favor dela,de suas vontades..e o povo continua de uma forma ou de outra sendo ignorado,uma verdadeira escuta surda.
    Beijão,PC!Um lindo final de semana para ti.Dani

    ResponderExcluir
  6. Um país se faz com Homens e ações.Uma país que não ouve seu povo não pode ser considerado democrático.O povo tem opinião,e esta precisa ser ouvida e respeitada.Deveria haver debates mais amplos,talvez um plebiscito para que possa ter mais discussões sobre esses temas polêmicos que afetam a população diretamente.Se pensarmos bem,o que prevalece é a vontade de poucos,principalmente de uma elite usurpadora que só age em benefício próprio,essa sim,é quem está mandando e desmandando no Brasil,e o congresso trabalha em favor dela,de suas vontades..e o povo continua de uma forma ou de outra sendo ignorado,uma verdadeira escuta surda.
    Beijão,PC!Um lindo final de semana para ti.Dani

    ResponderExcluir
  7. Olá Paulo,
    Temas polêmicos, quais os que você citou, deveriam merecer, sim, o aval da população. Nem todos, porém, são portadores do discernimento
    necessário para tal. O ideal seria um plebiscito, após uma prévia campanha onde especialistas das respectivas áreas (criminalistas, médicos, representantes religiosos e outros) pudessem expor os prós e contras das medidas.

    Meu abraço.

    ResponderExcluir
  8. Acho que nosso país esta caminhando em passos lentos, infelizmente, mas em breve digamos que possamos discutir sobre esses e outros assuntos polemicos, aos poucos, mas um dia chegamos lá.

    ResponderExcluir

Gostou do blog? Volte sempre que desejar. Dúvidas, sugestões, críticas ou qualquer outro assunto, entre em contato: detudoumpoucominhaopinião@yahoo.com.br

Números telefônicos de utilidade pública no Brasil

  • Delegacias Regionais do Trabalho - 158
  • Informações sobre oferta de emprego (Sine) – 157
  • Serviço Municipal – 156
  • Serviço Estadual – 155
  • Detran – 154
  • Guarda Municipal – 153
  • Ibama – 152
  • Procon – 151
  • Vigilância Sanitária – 150
  • Justiça Eleitoral – 148
  • Governo Federal – 138
  • Transporte Público – 118
  • Energia Elétrica – 116
  • Água e Esgoto – 115
  • Serviços ofertados pelas prestadoras dos Serviços de Comunicação Eletrônica de Massa – 106
  • Serviços oferecidos por prestadoras de serviços móveis de interesse coletivo – 105
  • Serviços ofertados por prestadoras de serviço telefônico fixo – 103
  • Defesa Civil – 199
  • Polícia Rodoviária Estadual – 198
  • Polícia Civil – 197
  • Polícia Federal – 194
  • Corpo de Bombeiros – 193
  • Ambulância – 192
  • Polícia Rodoviária Federal – 191
  • Polícia Militar – 190
  • Disque- Denúncia – 181
  • Delegacias especializadas no atendimento à Mulher – 180
  • Serviços de Emergência no âmbito do Mercosul – 128
  • Secretaria dos Direitos Humanos - 100