sábado, 15 de fevereiro de 2014

Violência nos protestos esvazia o movimento popular

Desde o ano passado que a população brasileira vem se manifestando contra uma série de coisas no país. Muito embora as manifestações de agora já não tenham a mesma força de antes. Eu, assim como muitos outros que entendem que esse país só mudará a dura realidade de sua gente a partir da força de mobilização dessa mesma gente, sempre defendi qualquer iniciativa popular nesse sentido. Mas, de maneira ordeira e civilizada, é bom que se diga. A razão pela qual os protestos que levaram milhões de brasileiros para as ruas não conseguirem repetir a mesma força do início desse movimento decorre exatamente daquilo que tem sido amplamente divulgado pela mídia. Refiro-me ao radicalismo de um grupo de pessoas que se infiltraram nas muitas manifestações no país e fizeram desviar o foco, a razão e objetivo delas. A radicalização desse grupo, financiado sabe-se lá por quem, munidos de pedras, explosivos e todo tipo de apetrecho para atacar policiais, jornalistas, além de patrimônios públicos e privados, vem esvaziando o movimento. A partir do momento que o próprio aparato de segurança pública não conseguia conter as ações de vandalismo orquestradas por esse grupo nas manifestações, as pessoas de bem que iam para as ruas protestar, passaram a se desinteressar pelo movimento. Dessa maneira, sentindo-se desprotegido, ameaçado na sua integridade física e vendo a razão de sua mobilização se perdendo em meio a balburdia, arruaça e vandalismo, o manifestante ordeiro e pacífico foi ficando desmotivado de participar dos protestos. A morte do cinegrafista da Rede Bandeirantes de televisão, Santiago Andrade, ilustra bem isso. Só não morreu mais gente durante os atos de violência e vandalismo que o Brasil presencia nos protestos até aqui, porque Deus ou o destino não quis. Agora, depois de demorar tanto tempo para o povo brasileiro se conscientizar de sua importância no processo de mudança desse país, vem esses imbecis radicais, transvestidos de arautos da moralidade e de defensores dos oprimidos, e nos tira o verdadeiro sentido de protestar. Torço muito para que o gigante não tenha retornado ao sono profundo de antes, mas que esteja acordado e atento a tudo, esperando apenas o momento certo de se fazer presente novamente.
Comentário(s)
6 Comentário(s)

6 comentários :

  1. Os nossos protestos não são como os de países árabes, quando o povo de juntou para retirar os governantes, lá parou tudo, e realmente surtiu efeito, aqui só boa parte da sociedade se manifestou, e boa parte estudantes, mas infelizmente o país continuou a funcionar, caso parasse, ai sim a repercussão seria bem maior, e numa aglomeração destas, a violência é inevitável, mas é uma minoria.

    Abração pra ti PC.

    ResponderExcluir
  2. Infelizmente,as manifestações tornaram-se selvagerias partidárias,onde essas entidades oferecem um 'café com leite' para alguns seres acéfalos fazer barbáries.Triste!E o povo que protesta de forma pacífica,o trabalhador,são vistos também como 'os vândalos',apanham da polícia black bloc,e a Globo e o PT,cambada de ditadores,caem na gargalhada.
    O Brasil é um grande circo,onde nós,o povo,somos os palhaços.Vivemos de futebol,novela e Jornal Nacional.

    Obrigada pelo carinho e prestígio de sempre,querido!

    Um beijão em seu coração,PC!Dani.

    ResponderExcluir
  3. O Brasil apresenta-nos uma tela mal pintada! Os mesmos que sofrem toda a sorte de "vandalismo com suas vidas" na ausência de boas escolas, salários dignos, atendimento médico, mobilidade... se prestam a deixar que coloquem cabresto e, manipulados por merrecas financeiras, se prestam à selvagerias de todo tipo. Lamentável! Somente com o uso da inteligência travaremos batalhas muito mais marcantes que esse desmando todo de destruição que assistimos, pois sequer podemos sair junto para demonstrarmos nossa indignação político-social! Marionetes NÃO!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  4. Oxalá amigo. O povo tantas vezes é pisado que um dia diz basta. O pior é que o poder instalado sempre tem meia dúzia de lambe-botas prontos a desacreditarem o povo.
    Um abraço e bom Domingo.

    ResponderExcluir
  5. Paulo César, querido amigo!
    Estava com saudades de tua presença por lá, admito, e também de tuas atualizações, pois acompanho este teu projeto há bastante tempo, e sempre com muita admiração!
    Pois sim, Paulo... concordo que os protestos se esvaziaram. E é um conjunto de fatores: os infiltrados, a manipulação do fato por parte de alguns veículos de comunicação, e a violência emoldurando tudo isso... uma pena.

    Beijos e ótimos dias!

    ResponderExcluir
  6. É mesmo lamentável esse tipo de atitude, inconsequente. É notável que o rapaz que praticou o crime não imaginava a proporção que tomaria seu gesto. Por esse mesmo motivo os protestos acabam não dando certo no Brasil: As pessoas não tem maturidade para brigar por seus direitos. Um abraço!

    ResponderExcluir

Gostou do blog? Volte sempre que desejar. Dúvidas, sugestões, críticas ou qualquer outro assunto, entre em contato: detudoumpoucominhaopinião@yahoo.com.br

Números telefônicos de utilidade pública no Brasil

  • Delegacias Regionais do Trabalho - 158
  • Informações sobre oferta de emprego (Sine) – 157
  • Serviço Municipal – 156
  • Serviço Estadual – 155
  • Detran – 154
  • Guarda Municipal – 153
  • Ibama – 152
  • Procon – 151
  • Vigilância Sanitária – 150
  • Justiça Eleitoral – 148
  • Governo Federal – 138
  • Transporte Público – 118
  • Energia Elétrica – 116
  • Água e Esgoto – 115
  • Serviços ofertados pelas prestadoras dos Serviços de Comunicação Eletrônica de Massa – 106
  • Serviços oferecidos por prestadoras de serviços móveis de interesse coletivo – 105
  • Serviços ofertados por prestadoras de serviço telefônico fixo – 103
  • Defesa Civil – 199
  • Polícia Rodoviária Estadual – 198
  • Polícia Civil – 197
  • Polícia Federal – 194
  • Corpo de Bombeiros – 193
  • Ambulância – 192
  • Polícia Rodoviária Federal – 191
  • Polícia Militar – 190
  • Disque- Denúncia – 181
  • Delegacias especializadas no atendimento à Mulher – 180
  • Serviços de Emergência no âmbito do Mercosul – 128
  • Secretaria dos Direitos Humanos - 100