terça-feira, 21 de outubro de 2014

Do ebola nos livraremos, da estupidez, essa não

A epidemia de ebola na África Ocidental já matou mais de 4 mil pessoas. É uma das doenças mais fatais do mundo. O ebola foi descoberto em 1976, na República Democrática do Congo, em uma vila chamada Ebola. A África já registrou 14 surtos da doença até hoje. Cinco tipos diferentes de ebola foram identificados por cientistas, porém, dos cinco, três são os mais perigosos; são eles: bundibugyo, sudão e zaire. A atual epidemia que a África enfrenta é do ebola-zaire. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a organização Médicos Sem Fronteiras, essa já é a maior epidemia da história da doença. O último balanço da OMS divulgado, diz que o número de mortos vítimas do ebola já ultrapassa 4500. A Nigéria, país mais populoso da África, não tem mais a epidemia. O Senegal também não. Mas isso não significa que a doença está próxima do fim.
Foto: Dominique Faget/AFP
Acabar com a epidemia de ebola na África é um grande desafio para os profissionais da saúde envolvidos diretamente nesta missão, mas impedir que ela venha infectá-los, é outro grande desafio também. Para não permitir que o vírus ebola se prolifere fora da África, uma vigilância permanente e inteligente deve ser adotada por todos os países nesse sentido. Agindo assim, mesmo que um país registre a doença em algum momento, o risco de uma epidemia passará bem distante, pois se preparou para isso. Na verdade, a epidemia que assola a humanidade é a da ignorância. É inadmissível que com tanta informação circulando, ainda existam pessoas escravizadas pela própria ignorância. Tem sido cada vez mais frequente por conta do ebola a forma preconceituosa como muitos têm tratado nossos irmãos africanos. De uma coisa tenho certeza, do ebola nos livraremos, da estupidez humana, essa não. É a minha opinião.
Comentário(s)
5 Comentário(s)

5 comentários :

  1. Contato: detudoumpoucominhaopiniao@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  2. Epidemia da Ignorância... Realmente a mais terrível de todas! Nossos irmãos passando necessidades, fome, falta de hidratação, crianças órfãs e nós preocupados concentrados em nós e nada mais... A intervenção maciça deve ser onde o foco é maior, na origem do problema, da infraestrutura, da higiene, saúde e nutrientes sempre tão precários aos nossos irmãos africanos. Solidariedade na prática não na teoria eleitoreira!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Olá, PC, como vai?
    Fico triste quando percebo a ignorância maltratando pessoas por sua origem. O ebola exige muito cuidado, mas pessoas inocentes não podem pagar o preço de um problema de saúde pública,
    Aliás, a ignorância me entristece imenso.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  4. Esse é o preço pelo qual estamos pagando por desprezarmos um Continente.Morreremos do nosso próprio preconceito e arrogância.

    Beijão,PC!Dani.

    ResponderExcluir

Gostou do blog? Volte sempre que desejar. Dúvidas, sugestões, críticas ou qualquer outro assunto, entre em contato: detudoumpoucominhaopinião@yahoo.com.br

Números telefônicos de utilidade pública no Brasil

  • Delegacias Regionais do Trabalho - 158
  • Informações sobre oferta de emprego (Sine) – 157
  • Serviço Municipal – 156
  • Serviço Estadual – 155
  • Detran – 154
  • Guarda Municipal – 153
  • Ibama – 152
  • Procon – 151
  • Vigilância Sanitária – 150
  • Justiça Eleitoral – 148
  • Governo Federal – 138
  • Transporte Público – 118
  • Energia Elétrica – 116
  • Água e Esgoto – 115
  • Serviços ofertados pelas prestadoras dos Serviços de Comunicação Eletrônica de Massa – 106
  • Serviços oferecidos por prestadoras de serviços móveis de interesse coletivo – 105
  • Serviços ofertados por prestadoras de serviço telefônico fixo – 103
  • Defesa Civil – 199
  • Polícia Rodoviária Estadual – 198
  • Polícia Civil – 197
  • Polícia Federal – 194
  • Corpo de Bombeiros – 193
  • Ambulância – 192
  • Polícia Rodoviária Federal – 191
  • Polícia Militar – 190
  • Disque- Denúncia – 181
  • Delegacias especializadas no atendimento à Mulher – 180
  • Serviços de Emergência no âmbito do Mercosul – 128
  • Secretaria dos Direitos Humanos - 100