terça-feira, 21 de outubro de 2014

Do ebola nos livraremos, da estupidez, essa não

A epidemia de ebola na África Ocidental já matou mais de 4 mil pessoas. É uma das doenças mais fatais do mundo. O ebola foi descoberto em 1976, na República Democrática do Congo, em uma vila chamada Ebola. A África já registrou 14 surtos da doença até hoje. Cinco tipos diferentes de ebola foram identificados por cientistas, porém, dos cinco, três são os mais perigosos; são eles: bundibugyo, sudão e zaire. A atual epidemia que a África enfrenta é do ebola-zaire. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a organização Médicos Sem Fronteiras, essa já é a maior epidemia da história da doença. O último balanço da OMS divulgado, diz que o número de mortos vítimas do ebola já ultrapassa 4500. A Nigéria, país mais populoso da África, não tem mais a epidemia. O Senegal também não. Mas isso não significa que a doença está próxima do fim.
Foto: Dominique Faget/AFP
Acabar com a epidemia de ebola na África é um grande desafio para os profissionais da saúde envolvidos diretamente nesta missão, mas impedir que ela venha infectá-los, é outro grande desafio também. Para não permitir que o vírus ebola se prolifere fora da África, uma vigilância permanente e inteligente deve ser adotada por todos os países nesse sentido. Agindo assim, mesmo que um país registre a doença em algum momento, o risco de uma epidemia passará bem distante, pois se preparou para isso. Na verdade, a epidemia que assola a humanidade é a da ignorância. É inadmissível que com tanta informação circulando, ainda existam pessoas escravizadas pela própria ignorância. Tem sido cada vez mais frequente por conta do ebola a forma preconceituosa como muitos têm tratado nossos irmãos africanos. De uma coisa tenho certeza, do ebola nos livraremos, da estupidez humana, essa não. É a minha opinião.
Comentário(s)
5 Comentário(s)

5 comentários :

  1. Contato: detudoumpoucominhaopiniao@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  2. Epidemia da Ignorância... Realmente a mais terrível de todas! Nossos irmãos passando necessidades, fome, falta de hidratação, crianças órfãs e nós preocupados concentrados em nós e nada mais... A intervenção maciça deve ser onde o foco é maior, na origem do problema, da infraestrutura, da higiene, saúde e nutrientes sempre tão precários aos nossos irmãos africanos. Solidariedade na prática não na teoria eleitoreira!
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeito, querida Célia. Um beijo no seu coração.

      Excluir
  3. Olá, PC, como vai?
    Fico triste quando percebo a ignorância maltratando pessoas por sua origem. O ebola exige muito cuidado, mas pessoas inocentes não podem pagar o preço de um problema de saúde pública,
    Aliás, a ignorância me entristece imenso.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  4. Esse é o preço pelo qual estamos pagando por desprezarmos um Continente.Morreremos do nosso próprio preconceito e arrogância.

    Beijão,PC!Dani.

    ResponderExcluir

Gostou do blog? Volte sempre que desejar. Dúvidas, sugestões, críticas ou qualquer outro assunto, entre em contato: detudoumpoucominhaopinião@yahoo.com.br

Números telefônicos de utilidade pública no Brasil

  • Delegacias Regionais do Trabalho - 158
  • Informações sobre oferta de emprego (Sine) – 157
  • Serviço Municipal – 156
  • Serviço Estadual – 155
  • Detran – 154
  • Guarda Municipal – 153
  • Ibama – 152
  • Procon – 151
  • Vigilância Sanitária – 150
  • Justiça Eleitoral – 148
  • Governo Federal – 138
  • Transporte Público – 118
  • Energia Elétrica – 116
  • Água e Esgoto – 115
  • Serviços ofertados pelas prestadoras dos Serviços de Comunicação Eletrônica de Massa – 106
  • Serviços oferecidos por prestadoras de serviços móveis de interesse coletivo – 105
  • Serviços ofertados por prestadoras de serviço telefônico fixo – 103
  • Defesa Civil – 199
  • Polícia Rodoviária Estadual – 198
  • Polícia Civil – 197
  • Polícia Federal – 194
  • Corpo de Bombeiros – 193
  • Ambulância – 192
  • Polícia Rodoviária Federal – 191
  • Polícia Militar – 190
  • Disque- Denúncia – 181
  • Delegacias especializadas no atendimento à Mulher – 180
  • Serviços de Emergência no âmbito do Mercosul – 128
  • Secretaria dos Direitos Humanos - 100